quarta-feira, dezembro 28, 2016

Notas sobre uma episódio banal


O calor está infernal. Quem me conhece sabe que sou uma das mulheres mais friorentas desse planeta lindo e miserável. Gosto do sol, do calor e do céu aberto. Mas não desse ar abafadiço, desse bafo quente e sufocante.

De uns anos pra cá passei a apreciar também dias nublados e levemente frios. Eles combinam com o ensimesmamento, a solidão e a melancolia (um trio que também aprecio). Ademais, com um pouco de frio, dormir coberta é bem gostoso, e posso usar minhas botinhas.

Acabo de folhear um romance e me deparei com uma passagem, dentre tantas, daquelas que a gente grifa. Como alguém já observou um dia, eu deixo rastros e pistas em meus livros. E tenho um código próprio de grifos e sinais. Volta e meia eu mesma sigo as pistas que deixei assinaladas. Na que se segue, trata-se de apenas um banho. Um episódio banal.



"Deve haver um bocado de coisas que um banho quente não cura, mas não conheço muitas delas. Sempre que fico triste pensando que um dia vou morrer, ou perco o sono de tão nervosa, ou estou apaixonada por alguém que não verei por uma semana, me deixo sofrer até certo ponto e então digo: 'vou tomar um banho quente'. Eu medito no banho. A água tem que estar muito quente, tão quente que você mal consegue colocar o pé. Então você vai entrando, centímetro por centímetro, até estar com a água na altura do pescoço. [...] acho que vejo o banho quente do jeito que as pessoas religiosas veem a água benta" Sylvia Plath | A Redoma de Vidro | p.27-28]. 

A sensação é balsâmica. Tenho, digamos, "uma pira" com banhos quentes. E saudosas lembranças de meus banhos de banheira quando criança. Porém, em mim, o efeito curador não se dá apenas num banho de banheira. Basta-me um bom chuveiro de água quente. Não preciso ficar triste pensando na morte (embora eu pense nela correntemente). Também não necessito perder o sono por qualquer motivo (ainda que às vezes o perca por algum). Tampouco estar apaixonada (conquanto...) . Basta-me estar com muito frio (o que já me deixa doente) para que eu diga: "vou tomar um banho quente'. Ele aquece meu sangue e me cura do enorme desconforto do frio por ao menos duas horas, quando passo, novamente, a me sentir gelada, mesmo que bem agasalhada, em dias de muito frio.

Mas é verão. E hoje está muito calor. O dia pede um banho frio. Como detesto água fria, vou tomar um longo banho morno. E de chuveiro. Lugar sob o qual adoro pensar na vida e ver meus pensamentos escorrerem  pelo ralo.

segunda-feira, dezembro 12, 2016

Ah... essa dor





O Grito

Se ao menos esta dor servisse
se ela batesse nas paredes
abrisse portas
falasse
se ela cantasse e despenteasse os cabelos

se ao menos esta dor se visse
se ela saltasse fora da garganta como um grito
caísse da janela fizesse barulho
morresse

se a dor fosse um pedaço de pão duro
que a gente pudesse engolir com força
depois cuspir a saliva fora
[...]

se a dor fosse só a carne do dedo
que se esfrega na parede de pedra
para doer doer doer visível
doer penalizante
doer com lágrimas

se ao menos esta dor sangrasse


[Renata Pallottini 1931- ... | A faca e a pedra | 1961]

terça-feira, novembro 29, 2016

Confidência


Diz o meu nome
pronuncia-o
como se as sílabas te queimassem os lábios
sopra-o com suavidade
para que o escuro apeteça
para que se desatem os teus cabelos
para que aconteça

Porque eu cresço para ti
sou eu dentro de ti
que bebe a última gota
e te conduzo a um lugar
sem tempo nem contorno

Porque apenas para os teus olhos
sou gesto e cor
e dentro de ti
me recolho ferido
exausto dos combates
em que a mim próprio me venci

Porque a minha mão infatigável
procura o interior e o avesso
da aparência
porque o tempo em que vivo
morre de ser ontem
e é urgente inventar
outra maneira de navegar
outro rumo outro pulsar
para dar esperança aos portos
que aguardam pensativos

No húmido centro da noite
diz o meu nome
como se eu te fosse estranho
como se fosse intruso
para que eu mesmo me desconheça
e me sobressalte
quando suavemente
pronunciares o meu nome"

Mia Couto – 'Confidência'. in: Raiz de Orvalho e Outros Poemas.

The Absinthe Drinker by Viktor Oliva

segunda-feira, novembro 21, 2016

Ensaios sobre a filosofia de Hume


Enfim, chers lecteurs et lectrices, depois de muito trabalho e algumas estações invernais e primaveris, tenho o prazer de informá-los que acaba de ser publicado o volume 16 da "Coleção Rumos da Epistemologia" com os trabalhos apresentados no V Encontro Hume, realizado em abril de 2015, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) -  organização de Jaimir Conte, Flávio Zimmermann e Marília Côrtes de Ferraz (moi-même). Em breve sairá também a versão impressa. Dentre os 20 trabalhos publicados, há um ensaio meu intitulado O Status do Fideísmo na Crítica de Hume à Religião Natural. Take a look !!!




Ao final, Notas sobre João Paulo Monteiro (in memorian), uma homenagem de Rolf Nelson Kuntz.

quarta-feira, novembro 16, 2016

Espelhado em meu peito


Eis abaixo mais um belíssimo texto [and painting] do meu querido e talentoso amigo Ygor Raduy. Quando o li, senti como se suas palavras fossem arrancadas de meu próprio peito. Não resisti a'

O AMOR INTEIRO
  
Amo-te inteiro, com corpo, alma, ligamentos. Amo-te sem controle, inevitável. Estás em mim, como o sangue flui em mim, corrente. Amo-te inteiro, até as profundezas, e sempre. Amo-te completo e irrevogável – e és a peste em mim adormecida, és o incêndio, a floração de tudo. E só quando estás presente estou presente;  só quando estás alegre estou alegre; só quando respiras eu respiro. Amo-te às pressas, urgente.  És o alento e a força – embora de nada desconfies. És a festa onde meus olhos brincam, o abismo onde a minha carne cai. Eu perco o coração, mas vou a ti com alegria. E embora o teu silêncio me aferroe, vou a ti. Vou a ti, embora nada indique que venhas a mim; vou a ti, sem que jamais teu braço se mova em minha direção. Pois amo-te inteiro. E algo em mim insiste que és o único norte – algo em mim resiste e diz: “ama-o inteiro, com corpo, alma, ligamentos”. E vou, obedeço, como quem vai ao mundo, já que aos meus olhos és o próprio mundo. Se porventura de existir desistires, tudo desiste,  tudo cai, a luz declina, flores murcham, tudo é vulto. E eu não posso perder nem um minuto teu, nem um sorriso teu posso perder, preciso de cada palavra, de cada gesto teu, de cada respiração. Pois amo-te inteiro, até os subterrâneos. E cada minuto sem ti é um minuto perdido. Cada passo, um passo em falso. Se estás ausente, agonizo; se estás presente, gozo. E me perco de mim, e erro e lamento e apago as luzes e choro pelos cantos. Mas se vens, a alma minha em festa, bandeiras hasteadas, coro de vozes exultantes, luz. Pois amo-te inteiro, com o corpo, com a alma, com os ligamentos.


words, Wörter, blood, Blut 2 | painting | ygor raduy


Não partas com teu reflexo/
Deixa-o espelhado em meu peito.
F. Garcia Lorca

[texto originalmente publicado em 

domingo, novembro 06, 2016

Apenas um voo


Estou num avião. Não consigo gostar de voar. Tenho medo. E quase sempre a impressão de que ele vai quebrar, partir-se todo, explodir ou desmantelar-se no ar. Não me agradam as expressões dos tripulantes. Sorrisos treinados, branco-amarelados. Tampouco da maioria dos passageiros. Como se tudo estivesse bem. Para alguns talvez esteja mesmo. Porém, dentro de um avião, jamais as coisas estarão bem para mim. Simplesmente porque eu não me sinto nada bem. E quando não estou bem, nada está bem. Tudo vai mal (excuse-me pela informação trivial). Se há turbulência, meu coração parece que vai explodir (assim como o avião). A descarga de adrenalina é asfixiante. Meu pulso acelera, meu sangue esquenta, ou melhor, não sei se esquenta ou se gela. As sensações se misturam. E se confundem. Não fosse impossível, tal como imaginar um círculo quadrado, eu diria que meu sangue esquenta e gela ao mesmo tempo. E sob as mesmas condições. Sinto-me como se suasse gelo. Trêmula, começo a ficar ofegante. O ar começa a faltar. E eu tento, então, meditar. Respirar calmamente. Mentalizo: nam-myoho-rengue-kyo... nam-myoho-rengue-kyo... nam-myoho-rengue-kyo...

Olho para as pessoas ao meu redor. Todo mundo aparentemente calmo. Mas não adianta. Quaisquer estalidos, quaisquer sacudidelas, deixam-me mais apreensiva. Fico em estado de alerta o tempo todo. Os ouvidos atentos. Os sentidos  aguçados. Estridentes. E os nervos à flor da pele. Se o voo é estável, respiro melhor. A sensação de morte se atenua. Mas nada se compara ao conforto de sentir as rodas tocarem o chão e, mais ainda, de sentir meus pés no chão.

Prefiro viajar de carro, embora digam que o perigo é mil vezes maior. Podem dizer à vontade. Podem me apresentar dados e estatísticas que demonstrem isso. Não me convencem, infelizmente. Posso saber disso, mas não consigo sentir isso. Melhor viajar na mente. No sonho. Na imaginação. (Ainda que eu não deva desconsiderar as vantagens de se viajar de avião. Todos conhecem).

Agora, por exemplo, ele passou por um período de estabilidade. Consegui ficar relativamente tranquila a ponto de abrir meu aplicativo Day One para escrever essas baboseiras que vocês estão lendo. Mas agora ele vai começar a descer. A paixão do medo toma conta de mim. O barulho do motor se altera. Outros barulhos gritam aqui e ali. A velocidade cai. A altura cai. Dentro de mim tudo cai. Parece que o motor vai pifar. O avião começa a chacoalhar de novo. O coração dispara. Pronto. Volto a me sentir hiper insegura e agitada. Na verdade, apavorada. Minha imaginação, involuntariamente, produz monstros. Uma legião deles.


Hoje os voos estão sendo piores do que os da última vez, cujo tempo estivera aberto e o sol radiante. É o segundo do dia, dada a conexão. Pensei que havia, senão superado (acho que isso nunca vai acontecer), ao menos amenizado meu medo de voar em aviões. Mas não. Basta um voo levemente turbulento (e digo levemente porque aparentemente ninguém se abalou; e também porque nunca passei por algum voo desses que já me contaram, cujas máscaras de oxigênio caem e todos se apavoram, gritam and so on) para eu perceber que nada mudou. Ele continua o mesmo.

Neste voo do qual vos escrevo, por exemplo, por conta da turbulência, não houve serviço de bordo. A tripulação começou a se armar para o serviço e logo vi que todos pararam. O comandante resolveu avisar, pedindo desculpas, que não teríamos tal serviço porque não havia segurança nem para nós nem para os tripulantes. Ninguém parece ter se abalado (exceto a pessoa ao meu lado, que sentiu meus nervos nervosos). Pensei: precisava anunciar, comandante? Precisava explicar? Cazzo. Eu já havia sacado. Aliás, provavelmente todos já haviam sacado. Afinal, a turbulência era evidente. Mas o aviso, vindo lá da cabine do piloto, ora ora... cala a boca, comandante!

quarta-feira, novembro 02, 2016

Canto fúnebre sem música




Dirge Without Music

I am not resigned to the shutting away of loving hearts in the hard ground.
So it is, and so it will be, for so it has been, time out of mind:
Into the darkness they go, the wise and the lovely. Crowned
With lilies and with laurel they go; but I am not resigned.

Lovers and thinkers, into the earth with you.
Be one with the dull, the indiscriminate dust.
A fragment of what you felt, of what you knew,
A formula, a phrase remains, — but the best is lost.

The answers quick and keen, the honest look, the laughter, the love,
They are gone. They are gone to feed the roses. Elegant and curled
Is the blossom. Fragrant is the blossom. I know. But I do not approve.
More precious was the light in your eyes than all the roses in the world.

Down, down, down into the darkness of the grave
Gently they go, the beautiful, the tender, the kind;
Quietly they go, the intelligent, the witty, the brave.
I know. But I do not approve. And I am not resigned.


Canto fúnebre sem música

Não me conformo em ver baixarem à terra dura os corações amorosos,
É assim, assim há de ser, pois assim tem sido desde tempos imemoriais:
Partem para a treva os sábios e os encantadores. Coroados
De louros e de lírios, partem; porém não me conformo com isso.

Amantes, pensadores, misturados com a terra!
Unificados com a triste, indistinta poeira.
Um fragmento do que sentíeis, do que sabíeis,
Uma fórmula, uma frase resta — porém o melhor se perdeu.

As réplicas vivas, rápidas, o olhar sincero, o riso, o amor
foram-se embora. Foram-se para alimento das rosas. Elegante, ondulosa
é a flor. Perfumada é a flor. Eu sei. Porém não estou de acordo.
Mais preciosa era a luz em vossos olhos do que todas as rosas do mundo.

Vão baixando, baixando, baixando à escuridão do túmulo
Suavemente, os belos, os carinhosos, os bons.
Tranquilamente baixam os espirituosos, os engraçados, os valorosos.
Eu sei. Porém não estou de acordo. E não me conformo.


Edna St. Vincent Millay, 1892-1950

"Poesia Traduzida"
Tradução de Carlos Drummond de Andrade
Editora Cosacnaify

domingo, outubro 30, 2016

Gotas caídas


Gotas caídas! Saindo de minhas veias azuis!
Ó gotas de mim! Vagarosas gotas caídas,
Cândidas, caídas de mim, pingos, gotas de sangue,
De ferimentos feitos para libertar-vos, de quando estáveis aprisionadas,
De minha face, de minha testa e de meus lábios,
De meus peitos, de dentro de onde eu estava escondido, pressionadas para sair, gotas vermelhas, gotas de confissão,
Manchai cada página, manchai cada canção que entoo, cada palavra que digo, gotas de sangue,
Deixai que o vosso calor escarlate seja delas conhecido, deixai que brilhem,
Saturai-as convosco até que fiquem envergonhadas e úmidas,
Resplandecei sobre tudo o que já escrevi ou escreverei ainda, gotas de sangue,
Deixai que tudo seja visto em sua própria luz, gotas enrubescidas.



[Walt Whitman. in: Folhas de Relva]

sábado, setembro 17, 2016

o céu de meus dias


e eu olhava praquela boca 
e pensava:

que céu
que céu de boca
quero escrever um poema naquele céu 

com a língua 
a minha língua de anjo

[Sidney Giovenazzi]


L'allodola
Pál Szinyei Merse

sábado, agosto 27, 2016

A vida como fenômeno estético

Uma vez comentei com uma amiga sobre algumas obras de arte extremamente belas e delicadas (criação de uma artista grega chamada Mantha Tsialiou) que conheci, por acaso, pelo facebook. Mostrei as fotos de algumas obras à minha amiga que, por sua vez, mostrou-me, ali também pelo facebook, as obras de um amigo dela chamado Ygor Raduy (já publiquei um poema dele aqui http://mariliacortes.blogspot.com.br/2016/08/na-borda-da-palpebra.html ). 

Bah... fiquei impressionada! Achei os desenhos e pinturas daquele rapaz, até então desconhecido pra mim, simplesmente maravilhosas, inquietantes, perturbadoras, especialmente suas figuras do abismo.

Não resisti e, completamente seduzida por aquelas obras, num impulso atrevido, enviei a ele uma solicitação de amizade pelo facebook. Digo impulso atrevido porque não costumo enviar convites de amizades a desconhecidos, e quase nem mesmo a conhecidos. Mas queria acompanhá-lo de perto. Tornamo-nos amigos "no face" (expressão engraçada, mas que está na boca de todos os seus usuários) e acabamos trocando algumas ideias numa conversa inbox tipo olá quem é você como chegou e o que faz aqui? Apresentei-me, falei um pouco do que percebia e sentia ao contemplar seus trabalhos e, a partir de então, passei a acompanhar as publicações não apenas de suas pinturas, mas também, para minha agradável surpresa, de seus textos literários e incrivelmente filosóficos.

Não tenho dúvidas de que ele tem uma extraordinária sensibilidade artística e filosófica, eu diria mesmo que ele é um artista genuinamente genial, bem ao modo como Schopenhauer fala da figura do artista-gênio no livro III de O mundo como vontade e representação, e bem ao gosto da tese de Nietzsche, em O Nascimento da Tragédia, segundo a qual a vida só tem sentido e pode ser justificada como fenômeno estético. Há claramente em suas obras uma fusão entre arte, filosofia e vida. Ele não apenas produz belas obras de arte, como também escreve maravilhosamente bem e, ainda, filosofa naturalmente. Tenho acompanhado seu facebook as an experiment, seus relatórios com diversos títulos e temas (relatório sobre nada muito importante, relatório sobre qualquer coisa, relatório com verdades definitivas, relatório sobre coisas esparsas), suas pinturas, desenhos e revisões de cânones, suas histórias esquisitas, seus exercícios de escrita, suas fotografias e reflexões em geral. Tudo é de uma tragicidade, riqueza e profundidade abissais.

Ao pensar sobre um tema caro à filosofia (e à vida de qualquer mortal-comum), isto é, a morte, vejam só o que ele escreve:


"Eu penso sobre a morte. Sem motivo algum, imagino que seja suave. Talvez seja macia como um acalanto é macio na infância. Talvez seja um envolver-se, um devolver-se, um deixar-se. Talvez morrer seja sedoso, como um imenso leito onde se repousa.  Talvez seja tentadora, a morte, como um mergulhar, um abandonar-se, um despir-se.  Para um corpo que vive, não há nada mais obsceno que a morte.  Mas já que sou humano, penso sobre ela. Será  a morte como um corte abrupto? Um baque? Um repentino desligar-se? Imagino a morte aveludada – talvez porque a vida seja tão áspera. A vida, aprendi, é dor. É o budismo que o diz. É a minha carne e o meu coração que o confirmam. Dor e Alegria, simultâneas. Mas a morte - talvez a morte seja a ausência, talvez o silêncio mais puro. Talvez seja o nada, talvez nela nos percamos de nós, talvez nos desliguemos – talvez seja um infinito esquecimento, um cessar, um interromper. A morte, eu imagino, é generosa, pois acolhe todo aquele que nela penetra. Quem está nela, já não sorri, já não goza, já não erra, já não avança, já não ama, já não sangra, já não arde. Meu único desejo é que na morte se possa ouvir Música. Não consigo suportar a ideia de um silêncio tão severo. Mas sei que a Música pertence à Vida. Quando a morte vem, a Música cessa. E há uma outra questão que me intriga: quando a morte vem, para onde vai o amor? É tão doloroso pensar que o amor também cessa quando a morte vem. Justo o amor, pelo qual juramos eterna sujeição, pelo qual derramamos sangue, suor, saliva, lágrima – é insuportável considerar que ele seja aniquilado pela câmara da morte, como um inseto.  Justo o amor, essa tina asquerosa e tóxica, dentro da qual chafurdamos. O amor, parente tão próximo do ódio. Eu pressinto que a morte não poupa nada, nem mesmo o amor, embora me doa esse pressentimento na alma como uma agulha dói quando enfiada na pele sem aviso" (em http://streichspielen.blogspot.com.br/2010/05/sobre-morte.html)


Pois bem, posso reconhecer nessa reflexão alguns traços do pensamento de Epicuro (quanto à morte como dissolução e fim da consciência e, portanto, da dor e do sofrimento - um mergulho no nada) e Schopenhauer (no que respeita à sua teoria da prevalência do mal e do sofrimento na vida). E posso reconhecer, além de tudo isso e muito mais, um representante de uma nova geração de filósofos: "os filósofos do perigoso talvez a todo custo" - que Nietzsche prenuncia em Além do bem e do mal § 2, p.10-11).


[todos as obras de arte acima publicadas são de Ygor Raduy]

domingo, agosto 14, 2016

Na borda da pálpebra


A Morte do Amor



Sou eu quem parto ou és tu,
pequeno animal, que te distancias de mim?

É minha obra a morte do amor
ou foste tu que com tuas punhaladas
consumaste o crime?

Parto de ti, sem olhar-te.

Pois na calçada, enquanto conversávamos,
algo dentro de mim enfim consumou-se:
um oceano transformado em pó.

Mas se for pensar em ti, ainda meu coração reclama.
E resisto a ti, como o sol resiste às nuvens depois
de longa tempestade e sobre o chão lança seu primeiro raio.

Se for pensar em ti, ainda uma lágrima hesita:
mas resiste, na borda da pálpebra,
como resisto eu, à beira de tudo, sem teu braço,
despido de tudo, sabendo que és nada,
que o amor foi amor por nada,
que cada palavra de cada poema foi em vão.

Resisto, pois, a tudo  - e já não tenho o teu retrato
exposto, já não sei mais do teu rosto, esqueci como
o teu corpo se move e da angulação do teu torso
e dos vincos ao redor da tua boca quando sorris.

Deixa-me, então, sozinho.

Deixa-me, pois, assim como estou:
os olhos abertos, o pulso acelerado,
o peito repleto de ar e assustado.

Ou deixo-te eu, sem olhar-te,
mesmo querendo olhar-te,
ainda que todo o meu corpo proteste
e a minha alma proteste – deixa-me só,
pois não tenho mais sangue
e o meu coração está crestado,
como um catedral em ruína.

(Mas é manhã - e há um anúncio de ventura
quando uma luz benfazeja, por entre as fendas
e sobre os escombros de argamassa e rocha
 estica a alça amarelada de seu brilho.)

(Ygor Raduy)



[Art Photography by Kasia Derwinska]


Para quem não conhece ainda o talentoso autor desse belíssimo poema (e quer conhecer), clique aqui http://streichspielen.blogspot.com.br/ e encontrará, como ele mesmo diz, um "poeta, fotógrafo, mestre em Letras, humano, animal, interessado em explorar a região confusa onde poesia e pensamento se misturam". Na verdade, eu diria, ele é mais e faz mais do que isso...


sexta-feira, agosto 12, 2016

GT Hume na ANPOF



Eis que o GT Hume se consolidou na ANPOF:

Dedicado primariamente à discussão da obra do filósofo escocês David Hume (1711-1776), o GT Hume pretende analisar temas tipicamente filosóficos da obra deste autor, tais como epistemologia, teoria das paixões, filosofia moral, filosofia da religião e filosofia política, bem como outros trabalhos de Hume em áreas como economia política, teoria política e história. Além disso, interessa ao GT Hume as relações desse filósofo não apenas com outros filósofos modernos, mas também com o contexto histórico do século XVIII e filósofos de outros períodos.

Coordenadora:

Profa. Dr.a Lívia Mara Guimarães (UFMG)
Email: liviamguimaraes@gmail.com

Núcleo de sustentação:

Prof. Dr. André Olivier (Unisinos)
Prof. Dr. Adriano Naves de Britto (Unisinos) (Membro do GT Filosofia da Linguagem)
Prof. Dr. Bruno Pettersen (FAJE)
Prof. Dr. Cesar Kiraly (UFF/IUPERJ)
Prof. Dr. Cícero Araújo (USP)
Prof. Dr. Fernão de Oliveira Salles (UFSCAR)
Prof. Dr. Giovani Lunardi (Membro do GT Ética)
Prof. Dr. Hugo Cerqueira (Cedeplar-UFMG)
Prof. Dr. Jaimir Conte (UFSC)
Prof. Dr. Marco Antônio Azevedo (Unisinos) (Membro do Núcleo de Sustentação do GT Ética)
Prof. Dr. Marcos Balieiro (UFS) (Membro do Núcleo de Sustentação do GT Filosofia da História e Modernidade)
Profa. Dra. Maria Isabel Limongi (UFPR)
Prof. Dr. Pedro Paulo Pimenta (USP)
Prof. Dr. Renato Lessa (Biblioteca Nacional) (Membro do GT História do Ceticismo)
Prof. Dr. Rogério Arthmar (Economia-UFES)
Profa. Dra. Sara Albieri (História Social-USP) (Membro do GT História do Ceticismo)

Membros do Grupo de Apoio ao GT:

Prof. Dr. André Klaudat (UFRGS) (Membro do GT Filosofia da Ciência)
Profa. Dra. Andrea Cachel (UEL)
Prof. Dr. Flávio Williges (UFSM) (Membro do Núcleo de Sustentação do GT História do Ceticismo)
Prof. Dr. Flávio Zimmermann (UFFS)
Profa. Dra. Marília Côrtes de Ferraz (UFSC)

Para acessar a página do grupo diretamente na ANPOF clique em

http://anpof.org/portal/index.php/pt-BR/2013-11-25-22-44-25/grupos-de-trabalho/category-items/2-grupos-trabalho/157-hume

sábado, julho 30, 2016

Canção da Partida



Pousa de leve
Inda que um breve
Momento, a tua mão de neve
Sobre meu triste coração
Ainda é cedo…
Guarda o segredo
E pousa leve, como a medo,
Sobre minha alma a tua mão.
Como é que na alma
Pousa uma palma
De mão e como é que a acalma
De toda a dor que não tem fim?
Não sei sabê-lo.
No meu cabelo,
Ao menos, pousa, com desvelo,
Tua mão leve, de marfim.
Que é a vida? Nada.
A sorte? Estrada
Que leva só a alma enganada
Por onde vai e onde não quer…
Que é a alma? Um sono?
Ser? O abandono
De ser, e as folhas que no outono
O ouvido sente anoitecer…

[Fernando Pessoa. In: Poesia 1918-1930. Assírio & Alvim, 2005]

sexta-feira, julho 15, 2016

Anonimato

Caro anônimo, é minha atenção que você quer? Então, aproveite...



Quem é você para dizer qualquer coisa a respeito do que eu devo ou não fazer agora ou em qualquer tempo? Você não sabe de nada, my dear, absolutamente nada, a não ser o que você pesca e presume fuçando a vida dos outros pelos blogs e redes sociais. Por que não me envia teus comentários diretamente em meu email, em teu próprio nome? Tem medo de quê? De que eu te meta um processo? Larga de ser covarde!

Ao ler o que eu escrevo, fofo, você não consegue distinguir o que é realidade e o que é ficção. Não conhece a minha capacidade de confundir os sinais, jogar com ambiguidades, inventar e inverter personagens e situações, servir-me de estratégias literárias e recursos retóricos. Você não tem acesso ao que penso e sinto, tampouco à minha vida real e atual. Tem que se contentar com tua imaginação paranoica. Qualquer dado que você tenha é público, baby (coisa de facebook e blog). Minha vida real e privada não te pertence.

Qual o propósito de teus comentários “anônimos”? Não me esqueceu? Tá com saudades, 'amore' rs? Por que te interessa tanto meu blog? Aliás, por que você lê o meu blog? Por que te interessa saber o que gosto ou deixo de gostar? Por que te preocupas com o que sinto, o que guardo em meu coração ou faço da minha vida? Ora, por que você não me esquece?

Sabe de nada, inocente...


domingo, julho 03, 2016

Entorpecida


"Foi no teatro que conheci John e descobri o poder de uma voz. Ela fluiu para mim como notas de órgão, fazendo-me vibrar. Quando ele repetiu meu nome e errou a pronúncia, soou como uma carícia. Era a voz mais grave e encorpada que eu já tinha ouvido. [...] Ele seguiu falando, olhando para mim, mas eu não estava ouvindo. [...] Cada vez que ele falava, eu me sentia caindo em uma espiral vertiginosa, caindo nas malhas de uma voz maravilhosa. Era uma verdadeira droga."

[Nin, Anaïs. Delta de Vênus, p. 68-69]

quarta-feira, junho 29, 2016

Do abismo do desconsolo

Torturado, Evguêni se perguntava: - Como ela podia ter brincado com ele daquele jeito? Ter-lhe escrito que o coração dela era dele? Ter-lhe colocado no céu ao despertar-lhe as mais doces esperanças para, depois, lançá-lo ao abismo sem fundo do desconsolo? Não! Evguêni não podia compreender por que ela havia virado as costas para a paz, a serenidade, a sabedoria e o contentamento espiritual que ele lhe proporcionara por tantos anos. Não podia compreender como ela poderia jogar ao mar a vela que a levava longe, colocando-se à mercê das tempestades hedonistas que paralisariam sua alma aprisionada às demandas brutas de seu belo corpo. Era como se ela tivesse virado o rosto para seu próprio rosto. Sem o saber, iludida, afastando-se dele, afastava-se de si mesma, enterrando, assim, a possibilidade de sua alma receber o alimento que a mantinha governante de sua própria vida ─ a mais bela das vidas, o mais refrescante dos sopros. 

Dilacerado, Evguêni desejou que ela estivesse morta. Mas ela estava viva. Então, ele a matava em seu peito.



quinta-feira, junho 23, 2016

quarta-feira, junho 22, 2016

Nas teias do tempo


Já ouvi muita MPB na vida. Assim como muita música clássica, rock'n'roll, blues, soul, black music, jazz e tango (talvez eu tenha esquecido ainda um ou outro gênero que eu goste). Só coisa boa, claro rs. Mas já há algum tempo, em torno de uns 15 anos, a MPB em minha vida foi um pouco obnubilada (gosto dessa palavra rs) pelos outros gêneros que mais aprecio, embora algumas músicas eu, ocasionalmente, ainda ouvisse. Mais ou menos entre 1994-1999, eu ouvia sempre uns dois ou três LPs da Nana Caymmi (aliás, tenho-os ainda guardados num maleiro). Fiquei muitos anos sem ouvi-la. Mas no ano passado, quando comecei a viajar entre Londrina e Chapecó quase todos os meses durante os oito que duraram esse vai e vem, baixei as músicas que mais gosto (e nas melhores versões) e gravei um CD pra ouvir na estrada.

Imagino que tenha muita gente (talvez mais nessa geração mais jovem) que nem a conhece e, se viesse a conhecê-la, provavelmente acharia que ela é romântica e melíflua demais. A maioria de suas canções (ao menos as que mais gosto) são cantadas numa espécie de lamento: falam do amor, da saudade, da dor e da amizade. Falam também do tempo, do vento, da solidão e da esperança. E, ainda, das mágoas, da ternura, da distância e do vazio. Além do talento e da interpretação da Nana, da voz doce e melancólica, o que me encanta em seus cantos é a poesia.

Entre seus compositores... Dorival Caymmi (seu pai), Vinícius de Moraes, Tom Jobim, Aldir Blanc e Dolores Duran, alguns em parcerias com outros mais. Todos grandes poetas.  Destaco aqui as minhas preferidas, não necessariamente nessa ordem, e, mais abaixo, uma delas, bem apropriada para saudar "a little sad day" de inverno 14 graus.

1. Olha o tempo passando
2. Resposta ao tempo
3. Não me culpe
4. Castigo
5. Por causa de você
6. O que é que eu faço
7. Ternura antiga
8. Se é por falta de adeus
9. Pela rua
10. Noite de paz


https://www.youtube.com/watch?v=PC8jEoHQtUo



[Pic: Forget about the past - by Phil Mc Kay]

quinta-feira, junho 16, 2016

Gramaticalmente incorreto

Long time ago... fiquei pasma ao ver a quantidade de erros de português numa única prova de um aluno de filosofia. Aluno universitário, diga-se de passagem, e não mais do primeiro ano. Não resisti e fiz uma lista.

interese ....................................... [interesse]
pocibilidade .................................   [possibilidade]
pensace ....................................... [pensasse]
pudesem ...................................... [pudessem]
poscível ....................................... [possível]
realizalo....................................... [realizá-lo]
ajudala ........................................ [ajudá-la]
prejuisos ...................................... [prejuízos]
impucionada ................................   [impulsionada]
nem um ....................................... [no lugar de nenhum]
aucilio ........................................ [auxílio]
travecia ...................................... [travessia]
cituações ..................................... [situações]
vise ........................................... [visse]
boua .......................................... [boa]
gostase ....................................... [gostasse]

A primeira pergunta que fiz a mim mesma foi: como será que ele chegou até aqui? Interessante é que o raciocínio dele até que era bom, razoavelmente articulado, revelando que havia compreendido satisfatoriamente o conteúdo. Lamentei que ele escrevesse tão mal. Dei-lhe um puxão de orelha educado, de modo a não ferir a sua autoestima. Apontei todos os erros e fiz um breve discurso a respeito do quanto era importante, em diversos aspectos, que ele escrevesse corretamente. Disse-lhe brincando:

- Imagine você escrevendo uma carta de amor com vistas a conquistar o coração de uma mulher bem instruída. Provavelmente ela declinaria de você rs. 

Sabem o que ele respondeu? 

- Ah, professora, mas eu já sou casado... (tive que rir).


Bom, é claro que alguém poderia defender a tese segundo a qual o importante é se fazer entender. Ok, fique à vontade. Defenda o que quiser. Eu não vou assinar embaixo mesmo...

domingo, junho 12, 2016

Prisoner

 Chained in necropolis of your memories


"the experience is a brutal teacher"
[Jack Lewis in Shadowlands]

[Sculpture by (Sir) Richard Westmacott in Liverpool Museum]

terça-feira, maio 31, 2016

Saudade




[...]

Magoa-me a saudade
do tempo em que te habitava
como o sal ocupa o mar
como a luz recolhendo-se
nas pupilas desatentas

Seja eu de novo tua sombra, teu desejo,
tua noite sem remédio
tua virtude, tua carência
eu
que longe de ti sou fraco
eu
que já fui água, seiva vegetal
sou agora gota trémula, raiz exposta

Traz de novo, meu amor,
a transparência da água
dá ocupação à minha ternura vadia
mergulha os teus dedos
no feitiço do meu peito
e espanta na gruta funda em mim
os animais que atormentam o meu sono.

[out/1979]

Mia Couto
in: Raiz de Orvalho e Outros Poemas


domingo, maio 22, 2016

Vida, amor, valor e morte


Dia calmo, chuvoso, cinza, frio, manso e melancólico. Havia escrito algo que emergiu, de repente, em minha mente, enquanto tomava meu longo e lento banho quente (poderia ter se tornado um poema, mas não). Assim que saí e me enrolei na toalha, ainda com as mãos úmidas, peguei o celular e, para que meus pensamentos não se perdessem, derramei-os rapidamente no aplicativo Day One. Mais tarde, na hora em que eu ia enviar o esboço para meu email, num minuto de bobeira, sem querer, apaguei-o inteirinho (e não há nesse aplicativo nenhuma alternativa do tipo CTRL Z do Word que possa recuperá-lo). Lá se foram meus pensamentos que não voltam mais, ao menos do modo natural e espontâneo com o qual eu os havia escrito.

No banho, eu pensava sobre a morte ─ um dos temas filosoficamente mais interessantes. Quanto mais vivo e estudo, quanto mais o tempo passa (ou eu passo por ele), mais penso sobre a morte, embora eu a tenha pensado desde que me entendo por gente (como se diz por aí). Porém, antes d'eu começar a estudar filosofia, era um pensar diferente: mais leve, mais solto, digamos, mais descompromissado e menos constante. Com o natural e implacável avanço da idade, o estudo da filosofia, o acúmulo de experiências na vida e a literatura, a morte passou a ocupar mais insistentemente (e de maneira mais profunda e sistematizada) minhas reflexões. Quero dizer, quanto mais o inexorável ciclo da existência me aproxima da morte, mais penso sobre a vida ─ sua natural acompanhante ─ e no valor dos valores que elegi para a minha vida.

[Amore et Mortem. Roberto Ferri]

Mutatis mutandis, esse tema é o fio condutor da novela A Morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstói, que entra no assunto aqui porque me lembrei de um comentário dessa obra feito por Alain de Botton em seu livro Desejo de Status (com essa inflexão, perdi o fio da meada e vou acabar escrevendo tudo de modo muito diferente do que havia escrito. Anyway...)

Quem já leu a novela de Tolstói sabe que ela versa sobre a agonia e sofrimento de um respeitável e bem sucedido juiz que, ao saber-se acometido de uma grave doença, aos 45 anos, vê-se diante do abismo da morte. Ao dar de cara com a morte, Ivan passa a reavaliar todo o seu passado, "sua criação, sua educação e carreira" e, aos poucos, chega à desgraçada e infeliz conclusão de que viveu toda a sua vida “motivado pelo desejo de parecer importante aos olhos dos outros”, e que “seus próprios interesses e sua sensibilidade foram sacrificados para impressionar as pessoas que, só agora ele vê, não deram a mínima para ele" (Botton, p.211). "Os prazeres que Ivan Ilitch obteve com o trabalho eram os do orgulho; os prazeres que obteve com a sociedade eram os da vaidade..." (Botton, p.210).

"[...] A sensação de ter desperdiçado sua curta vida é composta pelo reconhecimento de que era somente de seu status que as pessoas gostavam, não de seu eu verdadeiro e vulnerável. Ele foi respeitado por ser juiz, por ser um pai e chefe de família rico, mas com esses ativos prestes a desaparecer, em agonia e medo, ele não poderia contar com o amor de ninguém” (Botton, p.211-212) ─ tudo o que ele mais precisava.

O comentário de Botton ilustra sua tese de que a causa mais primária e profunda do desejo de status (enquanto valor e importância que temos aos olhos do mundo), intrínseco à natureza humana, é o desejo de ser amado ─ um desejo maior do que o de possuir dinheiro, fama e influência. Quer dizer, todo desejo de status que, segundo Botton, naturalmente possuímos, tem sua fonte primária no simples desejo de ser amado. De uma perspectiva filosófica e histórica (eu diria também psicológica), Botton apresenta algumas teses acerca das causas da obsessão contemporânea por status, e sugere, posteriormente, algumas soluções (que vou chamar aqui de pílulas filosóficas) que poderiam nos propiciar uma existência mais plena e significativa do que aquela que busca prestígio, fama e renome.

Ao rememorar os comentários de Botton sobre a obra de Tolstói, eu pensava no valor de todas essas coisas e, especialmente, no valor de certas pessoas em minha vida ─ aquelas que contribuíram para que ela se tornasse melhor, mais rica, exuberante e plena de significado. Pensava também no quanto o caminhar implacável para a morte (apesar de toda jovialidade de espírito, forma e movimentos que ainda habita o meu ser) faz com que eu reavalie o valor de todos os valores que nutri e nutro hoje em minha vida.

Mas o texto que eu havia escrito era completamente diferente. Mais inspirado, solto e saltitante. Também não fazia referências às obras supracitadas. A leitura delas foi apenas o ponto de partida. Na verdade, eu começava assim: ei, você aí, meu querido leitor, tão longe e tão perto, antes que seja tarde, deixe-me perguntar: o que torna tua vida mais inspirada e plena de significado? O que a faz valer a pena? O que é que contribui verdadeiramente para que ela viceje? O que a torna mais garrida? Quem, verdadeiramente, se importaria com a tua morte? E por aí eu ia... e eu mesma respondia: tens quase tudo que queres. Falta-te pouco, muito pouco. Mas esse pouco significa muito.

Tais pensamentos nada mais eram, pois, do que um diálogo sobre a vida, o amor e a morte  ─  bem como o valor de todos esses valores ─ travado entre o meu eu lírico e o meu leitor igualmente lírico (ou, se se quiser, meu interlocutor imaginário), enquanto tomava um longo e lento banho quente.

domingo, maio 15, 2016

Lamento


A areia jaz sob meus pés
o relógio decompõe o tempo
frio
lento

já não há mais palavras
meus lábios estão mudos
apenas gemem
febricitantes

no silêncio da rocha
um ferimento
o barco afundou no cais
vento.


terça-feira, maio 10, 2016

Herética


                               que deus me perdoe a heresia, 
                               e os moralistas de plantão também,
                               mas não resisti à ousadia
                               tão divina e tão mundana 
                               tão sagrada e tão profana.



Lambertz 2012 calendar
photo by Jose Manuel Ferrater Paz Vega

domingo, abril 24, 2016

Por sua causa


"Minha esquiva e linda Elena, estou em Paris de novo, por sua causa. Não pude esquecê-la. Tentei. Ao se dar por inteira, você também me tomou inteira e completamente. Você vai me ver? Você não recuou e se retraiu além de meu alcance para sempre? Eu mereço, mas não faça isso comigo, você estará assassinando um amor profundo, aprofundado pela luta dele contra você. Estou em Paris..."

[Anaïs Nin. Delta de Vênus, p. 128]



terça-feira, abril 19, 2016

Hume e João Paulo Monteiro

Before yesterday, meu orientador de doutorado (uma figura sui generis) passed away. Fui sua última orientanda. Na época, a convite de meu colega e amigo Jaimir Conte, escrevi uma resenha sobre a primeira edição brasileira de seu livro 'Hume e a Epistemologia' (revisão do também meu colega e amigo Frederico Diehl). 


Tive também o prazer de trazê-lo a Londrina para uma conferência na UEL, cujo evento foi promovido pelo Departamento de Filosofia; Especialização em Filosofia Moderna e Contemporânea; e Especialização em Filosofia Política e Jurídica.

Em homenagem a ele, deixo aqui 'mon adieu affectueux' e o link de acesso à resenha: Revista Princípios


domingo, abril 10, 2016

Beleza e melancolia


Eis abaixo um exemplo do que Hume chama de "delicadeza do gosto" [delicacy of taste]: uma sensibilidade apurada para a beleza e deformidade nas ações, livros, obras de arte, ciências, etc... Refiro-me aqui, especialmente, à fusão entre pintura, música e poesia que o vídeo apresenta. Antes de assisti-lo, vale lembrar que

"Nada é tão benéfico ao temperamento quanto o estudo das belezas, seja da poesia, da eloquência, da música ou da pintura. Estas [as artes liberais] proporcionam uma certa elegância de sentimento estranha ao resto da humanidade. As emoções que elas excitam são suaves e ternas. Elas libertam a mente das pressões dos negócios e interesses; estimulam a reflexão; predispõem o espírito à tranquilidade; e produzem uma agradável melancolia que, de todas as disposições da mente, é a mais adequada ao amor e à amizade" (Essays I. Of the delicacy of taste and passion, #6).

Then, dear reader, para tornar teu domingo, tua vida e teu gosto mais delicados e sensíveis, take a look ... and... 


Don't explain


Edward Hopper & Nina Simone



quarta-feira, abril 06, 2016

Olvido


Desce por fim sobre o meu coração
O olvido. Irrevocável. Absoluto.
Envolve-o grave como véu de luto.
Podes, corpo, ir dormir no teu caixão.

A fronte já sem rugas, distendidas
As feições, na imortal serenidade,
Dorme enfim sem desejo e sem saudade
Das coisas não logradas ou perdidas.

O barro que em quimera modelaste
Quebrou-se-te nas mãos. [...]


  [Camilo Pessanha, in 'Clepsidra' ]
                                                      

quinta-feira, março 31, 2016

O filósofo perdido no homem


Para não dizerem que eu só falo de amor (rsr), ao mexer hoje em meus arquivos, encontrei a seguinte crítica de La Bruyère [1645-1696] ao estoicismo. Diz ele:

"O estoicismo é um divertimento do espírito e uma ideia semelhante à da República de Platão. Os estoicos inventaram que se podia rir na pobreza; que se podia ser insensível às injúrias, à ingratidão, à perda dos bens como à dos amigos e parentes; que a morte devia ser olhada friamente, como coisa que não deve alegrar nem entristecer; que o prazer e a dor não nos venceriam; sentir o ferro e o fogo dilacerando ou queimando o corpo, sem exalar um suspiro, nem verter lágrimas; a esse fantasma de virtude e de constância assim imaginado, aprouve-lhes dar o nome de sábio. Deixaram aos homens todos os defeitos que nele encontraram e quase não modificaram nenhuma de suas fraquezas. Em vez de fazer dos vícios pinturas horríveis ou ridículas que lhe servissem para corrigi-lo, mostraram-lhe o perfil de uma perfeição e de um heroísmo de que ele é incapaz e exortaram-no assim a realizar o impossível. Desse modo o sábio, que não o é, ou que é somente imaginário, julga-se naturalmente superior a todos os acontecimentos e a todos os males; nem a gota mais dolorosa nem a cólica mais aguda poderiam lhe arrancar uma queixa; o céu e a terra podem desabar sem que consigam arrastá-lo em sua queda e ele haveria de permanecer firme sobre as ruínas do universo, enquanto o homem que perdeu realmente seu sentido exaspera, grita, se desespera, escancara os olhos e perde a respiração só por um cão perdido ou por uma porcelana feita em pedaços" (La Bruyère, Jean de. Caracteres ou costumes deste século. Do homem, §3. p.177-178). 

Anotei essa passagem porque quando a li me lembrei de algumas críticas de Hume que vêm ao encontro das de La Bruyère, embora não se possa dizer que Hume não seria simpático a, ao menos, algumas teses estoicas, o que aqui não vem ao caso.

No contexto da problemática relação entre a divindade e a existência do mal no mundo, Hume [1711-1776], na Investigação sobre o entendimento humano, ao tratar do tema da liberdade e necessidade, antecipa algumas objeções que podem ser levantadas contra a teoria que acabara de apresentar. Uma delas, de caráter religioso, emerge da conclusão inevitável que se segue a essa teoria, qual seja, a de que ou as ações humanas não são criminosas, ou, se forem, é a divindade, e não o homem, responsável por elas - o que comprometeria, no mínimo, os atributos da perfeição e suprema benevolência divinas. Uma dessas objeções, eu dizia, defende que “após um rigoroso exame de todos os fenômenos da natureza, pode-se concluir que o todo, considerado como um sistema único, está em cada período de sua existência, ordenado com perfeita benevolência, e que a máxima felicidade possível resultará, ao final, para todas as criaturas, sem a menor mistura de mal ou miséria no sentido positivo ou absoluto” (IEH 8.2.§34).

No entanto, Hume observa que, dessa ampla perspectiva, filósofos, entre os quais os estoicos, extraíram, em meio a todas as aflições, tópicos consolatórios que se revelaram completamente ineficientes. Eles tentavam mostrar a seus discípulos que os seus sofrimentos eram, ao fim e ao cabo, bens para o universo. Porém, Hume adverte-nos de que "embora essas considerações sejam agradáveis e sublimes, logo se revelam fracas e ineficazes na prática. Certamente iríamos antes irritar que apaziguar um homem que sofre as dores torturantes da gota ao louvarmos a retidão das leis gerais que produziram os humores malignos em seu corpo e os conduziram, através de canais apropriados, aos tendões e nervos onde agora provocam aqueles agudos tormentos" (IEH 8.2.§34). 

É provável, segundo Hume, que a adoção de um tal panorama possa, por um momento, aprazer a imaginação de uma mente especulativa que não se encontre em situação de desconforto e insegurança, mas não pode habitar constantemente a índole de um homem, mesmo que este não esteja perturbado por dores ou sofrimentos. E, evidentemente, será ainda menos constante a adoção de tais amplas e remotas perspectivas quando o homem estiver acometido por intensas dores e infortúnios (cf. IEH 8.2.§34).

Eis aí, pois, o ponto no qual "o filósofo se encontra perdido no homem" (cf. Essays. O Cético, nota ao § 51).


sexta-feira, março 25, 2016

Flutuações anímicas


O encontro havia sido marcado e o assunto anunciado. No exato momento em que ia tocar a campainha, a porta se abriu antecipadamente. Olharam-se, de modo oblíquo, antes que involuntariamente um sorriso contido cintilasse em seus rostos. Ela entrou como um vulto. Sua alma adiantara-se ao corpo, tamanha a ansiedade. 

Com a respiração oprimida e o coração descompassado, passou em rápida revista a disposição daquela sala, cujos objetos lhe eram tão familiares. O pequeno sofá eternamente desconfortável. A enorme quantidade de livros, caixas e papéis espalhados pelo chão, mesa e prateleiras.  O móvel de bebidas destiladas. O abat-jour que não funcionava há tempos, assim como o velho aparelho de som igualmente inutilizado, apenas ali, ocupando espaço, testemunhando, entre outras coisas, a longa história daquela união que constantemente desafiava o improvável. Notou a falta do belo tapete no qual, há mais de 15 anos, rolaram pela primeira vez. O lustre sobre a mesa que, sozinho, de vez em quando, bruxuleava rapidamente, e tantos outros objetos tão bem conhecidos, dentre os quais aqueles que evidenciavam a paixão dele pelo seu glorioso time de futebol.

Após sua alma retornar ao corpo, atravessou a sala como uma flecha. Não deu um beijo nele, um abraço, nada. Disse apenas um oi e sentou-se no sofá. Ele, por sua vez, puxou uma cadeira posicionando-se na diagonal. Sentindo-se incomodada, ela se virou de frente para ele e tirou os sapatos colocando os pés, espontaneamente, no pequeno e desconfortável sofá. 

Um silêncio opressor pesou sobre eles. Naquele instante, face to face, teve a mesma sensação de Humbert Humbert descrita por Nabokov em sua obra-prima Lolita: o pulso a marcar, num minuto, quarenta pulsações, no outro, cem.

Alguns meses antes, estivera madrugadas inteiras a escrever torrencialmente. Ao expressar suas flutuações anímicas diante dos sinais confusos que ele passara a transmitir após o primeiro reencontro, depois da última separação, os dedos crepitavam nos papéis. 

Replicadas à exaustão, propusera a si própria mil questões seguidas de mil respostas diferentes para cada uma. Ordenava-as, desordenava-as, reordenava-as, ruminando toda aquela parafernália de sentimentos, impressões e ideias que se sucediam em sua mente, na tentativa de concebê-las tão claras e distintas quanto as verdades matemáticas ─ uma tarefa inglória, por certo. De qualquer modo, era preciso começar a falar tudo que naquele momento estrangulava-lhe a garganta. Estava resoluta em não mais voltar. E era mister que fosse direta e reta. Porém, na imperiosa presença e argumentação dele, diante de olhares tão íntimos, suas convicções se afrouxavam, suas dúvidas voltavam a lhe atormentar, e o espelho de sua mente, tantas vezes polido pela reflexão, embaçava novamente devolvendo-lhe a angústia da incompreensão.

Queria entender por que, afinal, ele resolvera quebrar o silêncio terminal que decretara três meses antes, depois de alguns reencontros e trocas de cartas que mais trouxeram dor do que propriamente alegria e prazer a ambos, dado o tempo dilatado de separação, no qual um havia aprendido a viver sem o outro, e em virtude do acúmulo de mágoas, rancores, remorsos e arrependimentos que passaram a habitar seus corações indelevelmente feridos? 

Após seis horas de conversas entremeadas por acusações recíprocas e alguns instantes sublimes, nos quais a intimidade e cumplicidade voltavam a reinar, chegaram à conclusão de que a questão não era mais se um havia aprendido a viver sem o outro, mas se a vida de ambos seria melhor, mais rica, prazerosa, exuberante, promissora e feliz, com ou sem o outro.


quarta-feira, março 23, 2016

Le merveilleux




"Cada viagem despertava nela a mesma curiosidade e esperança que se sente antes da cortina se abrir no teatro, a mesma ansiedade e expectativa alvoroçantes. 
[...] 

Seus anseios eram vagos e poéticos. Se fosse brutalmente questionada sobre o que estava esperando, poderia ter respondido:
'Le merveilleux.'"

 

NIN, Anaïs. Delta de Vênus; histórias eróticas. Tradução de Lúcia Brito. - Porto Alegre: L&PM, 2015, p.107.

[photo by Paulo Nozolino]

quinta-feira, março 10, 2016

Momento Porteño


Eles chegam ao hotel en la calle Esmeralda. Pegam a chave do quarto e entram no antigo e pequeníssimo elevador. Com eles, entra também um senhor de mais ou menos uns 58 anos, tradicionalmente trajado, um pouco gordo e baixo, com um pacote de supermercado nas mãos. Esse senhor desconhecido não consegue tirar os olhos dela. E parece perder o fôlego ao medi-la, indisfarçadamente, de cima a baixo. 

Ela fica levemente constrangida (bem levemente, pois não costumava ficar assim ao ser admirada, ao contrário, sentia-se, em geral, muito confortável com isso) e se aproxima um pouco mais do namorado, como quem diz para o cara: - olha, eu estou acompanhada! 

Nessa altura, o namorado, em silêncio, só observa. O camarada não resiste e diz a ele: muito bonita sua namorada! 

O rapaz, senhor de si, dela e da situação, agradece esboçando um sorriso discreto e educado. Ela apenas sorri. O desconhecido não se contém. Num movimento espontâneo (e certamente temerário) tira uma garrafa de vinho do pacote e oferece-o, gentilmente, a ela. 

Well, não escapa ao casal a percepção de que seria menos arriscado se o cara tivesse oferecido a garrafa ao namorado, e não a ela. Mas, enfim, meio sem chance de recusar, dado o clima cortês no qual o episódio se dava, ela toma o vinho em suas mãos e agradece com um olhar e sorriso acanhados. O namorado, com a reserva de um gato, também sorri. Não fala nada. Mas pensa: - quê atrevimento! 

Eles descem do elevador no mesmo andar e se despedem daquele senhor. Entram no quarto um pouco desconsertados com aquela cena inusitada. Se olham e riem. Ela aguarda, sem saber muito bem o que dizer, o que o namorado dirá. Ele respira fundo, olha bem nos olhos dela, dá um sorriso descontraído e, beijando-lhe as mãos, diz: 


- "Ele te admirou. E eu admirar-me-ia se ele não te admirasse, se ele fosse capaz de permanecer indiferente à tua beleza, charm e presença. Pois se ele é realmente um homem sensível, não poderia deixar-te passar despercebida..."



[Photo by Jonathan Carroll]

quarta-feira, março 02, 2016

Se...


            Se partires, não me abraces – a falésia que se encosta
            uma vez ao ombro do mar quer ser barco para sempre
            e sonha com viagens na pele salgada das ondas.

           Quando me abraças, pulsa nas minhas veias a convulsão
           das marés e uma canção desprende-se da espiral dos búzios;
           mas o meu sorriso tem o tamanho do medo de te perder,
           porque o ar que respiras junto de mim é como um vento
           a corrigir a rota do navio. Se partires, não me abraces –

          o teu perfume preso à minha roupa é um lento veneno
          [...] – longe de ti, o corpo não faz
          senão enumerar as próprias feridas (como a falésia conta
          as embarcações perdidas nos gritos do mar); e o rosto
          espia os espelhos à espera de que a dor desapareça.
          Se me abraçares, não partas.


[ Maria do Rosário Pedreira | O Canto do Vento nos Ciprestes | Gótica | 2007 ]