segunda-feira, agosto 29, 2011

O Beijo


"Inclina teus lábios sobre mim
E que ao sair de minha boca
Minha alma repasse em ti"

(Diderot. Oeuvres Complètes III, Club Français du Livre, apud Barthes)
[Imagem: O beijo. Gustav Klimt]



domingo, agosto 21, 2011

Louca de Linguagem

Não sei se eu persigo o discurso amoroso ou se o discurso amoroso me persegue. Pensando bem, acho que perseguimos um ao outro: buscamos as mesmas coisas e, ao encontrarmo-nos, seguimos a mesma trilha. Não é à toa que encontro aqui ao meu lado, pela milésima vez, os Fragmentos de um Discurso Amoroso de Roland Barthes. Eu olho pra ele, ele olha pra mim. Estamos, mais uma vez, enamorados (e eu? completamente louca de linguagem!).


"A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos na ponta das palavras. Minha linguagem treme de desejo. A emoção de um duplo contato: de um lado, toda uma atividade do discurso vem, discretamente, indiretamente, colocar em evidência um significado único que é "eu te desejo", e liberá-lo, alimentá-lo, ramificá-lo, fazê-lo explodir (a linguagem goza de se tocar a si mesma); por outro lado, envolvo o outro nas minhas palavras, eu o acaricio, o roço, prolongo esse roçar, me esforço em fazer durar o comentário ao qual submeto a relação."

[Barthes, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. Tradução de Hortênsia dos Santos. Rio de Janeiro: F. Alves, 1989, p.64].

segunda-feira, agosto 15, 2011

Morte dos Amantes



"Uma tarde feita de rosa e de azul místico, trocaremos um lampejo único, como um longo soluço, carregado de adeus."

Baudelaire | Morte dos Amantes | apud Roland Barthes.


quarta-feira, agosto 10, 2011

A respiração oprimida de um peito oprimido


"... não faz sentido implorar-lhe..., mas talvez seja apenas um acréscimo à falta de sentido do pedido todo. Por favor, não fuja de mim se isso for possível neste mundo instável... não fuja de mim, mesmo que eu a decepcione uma vez ou milhares de vezes, ou agora ou sempre talvez. Para falar a verdade, este não é um pedido e não está dirigido a você. É somente a respiração oprimida de um peito oprimido" 

[Franz Kafka | Cartas a Milena | p.126]

terça-feira, agosto 02, 2011

Literatura: uma orgia perpétua


Algumas frases, ideias ou pensamentos não me dizem nada. Outras me dizem tanto que ecoam, soam e ressoam de maneira quase ininterrupta em minha cabeça: eis uma delas, dita e escrita por ninguém mais ninguém menos do que Flaubert:

"Le seul moyen de supporter l'existence c'est de s'etourdir dans la littérature comme dans une orgie perpétuelle" (Carta a Mlle. Leroyer de Chantepie, 4 de setembro de 1858).