quarta-feira, junho 29, 2016

Do abismo do desconsolo

Torturado, Evguêni se perguntava: - Como ela podia ter brincado com ele daquele jeito? Ter-lhe escrito que o coração dela era dele? Ter-lhe colocado no céu ao despertar-lhe as mais doces esperanças para, depois, lançá-lo ao abismo sem fundo do desconsolo? Não! Evguêni não podia compreender por que ela havia virado as costas para a paz, a serenidade, a sabedoria e o contentamento espiritual que ele lhe proporcionara por tantos anos. Não podia compreender como ela poderia jogar ao mar a vela que a levava longe, colocando-se à mercê das tempestades hedonistas que paralisariam sua alma aprisionada às demandas brutas de seu belo corpo. Era como se ela tivesse virado o rosto para seu próprio rosto. Sem o saber, iludida, afastando-se dele, afastava-se de si mesma, enterrando, assim, a possibilidade de sua alma receber o alimento que a mantinha governante de sua própria vida ─ a mais bela das vidas, o mais refrescante dos sopros. 

Dilacerado, Evguêni desejou que ela estivesse morta. Mas ela estava viva. Então, ele a matava em seu peito.



quinta-feira, junho 23, 2016

quarta-feira, junho 22, 2016

Nas teias do tempo


Já ouvi muita MPB na vida. Assim como muita música clássica, rock'n'roll, blues, soul, black music, jazz e tango (talvez eu tenha esquecido ainda um ou outro gênero que eu goste). Só coisa boa, claro rs. Mas já há algum tempo, em torno de uns 15 anos, a MPB em minha vida foi um pouco obnubilada (gosto dessa palavra rs) pelos outros gêneros que mais aprecio, embora algumas músicas eu, ocasionalmente, ainda ouvisse. Mais ou menos entre 1994-1999, eu ouvia sempre uns dois ou três LPs da Nana Caymmi (aliás, tenho-os ainda guardados num maleiro). Fiquei muitos anos sem ouvi-la. Mas no ano passado, quando comecei a viajar entre Londrina e Chapecó quase todos os meses durante os oito que duraram esse vai e vem, baixei as músicas que mais gosto (e nas melhores versões) e gravei um CD pra ouvir na estrada.

Imagino que tenha muita gente (talvez mais nessa geração mais jovem) que nem a conhece e, se viesse a conhecê-la, provavelmente acharia que ela é romântica e melíflua demais. A maioria de suas canções (ao menos as que mais gosto) são cantadas numa espécie de lamento: falam do amor, da saudade, da dor e da amizade. Falam também do tempo, do vento, da solidão e da esperança. E, ainda, das mágoas, da ternura, da distância e do vazio. Além do talento e da interpretação da Nana, da voz doce e melancólica, o que me encanta em seus cantos é a poesia.

Entre seus compositores... Dorival Caymmi (seu pai), Vinícius de Moraes, Tom Jobim, Aldir Blanc e Dolores Duran, alguns em parcerias com outros mais. Todos grandes poetas.  Destaco aqui as minhas preferidas, não necessariamente nessa ordem, e, mais abaixo, uma delas, bem apropriada para saudar "a little sad day" de inverno 14 graus.

1. Olha o tempo passando
2. Resposta ao tempo
3. Não me culpe
4. Castigo
5. Por causa de você
6. O que é que eu faço
7. Ternura antiga
8. Se é por falta de adeus
9. Pela rua
10. Noite de paz


https://www.youtube.com/watch?v=PC8jEoHQtUo



[Pic: Forget about the past - by Phil Mc Kay]

quinta-feira, junho 16, 2016

Gramaticalmente incorreto

Long time ago... fiquei pasma ao ver a quantidade de erros de português numa única prova de um aluno de filosofia. Aluno universitário, diga-se de passagem, e não mais do primeiro ano. Não resisti e fiz uma lista.

interese ....................................... [interesse]
pocibilidade .................................   [possibilidade]
pensace ....................................... [pensasse]
pudesem ...................................... [pudessem]
poscível ....................................... [possível]
realizalo....................................... [realizá-lo]
ajudala ........................................ [ajudá-la]
prejuisos ...................................... [prejuízos]
impucionada ................................   [impulsionada]
nem um ....................................... [no lugar de nenhum]
aucilio ........................................ [auxílio]
travecia ...................................... [travessia]
cituações ..................................... [situações]
vise ........................................... [visse]
boua .......................................... [boa]
gostase ....................................... [gostasse]

A primeira pergunta que fiz a mim mesma foi: como será que ele chegou até aqui? Interessante é que o raciocínio dele até que era bom, razoavelmente articulado, revelando que havia compreendido satisfatoriamente o conteúdo. Lamentei que ele escrevesse tão mal. Dei-lhe um puxão de orelha educado, de modo a não ferir a sua autoestima. Apontei todos os erros e fiz um breve discurso a respeito do quanto era importante, em diversos aspectos, que ele escrevesse corretamente. Disse-lhe brincando:

- Imagine você escrevendo uma carta de amor com vistas a conquistar o coração de uma mulher bem instruída. Provavelmente ela declinaria de você rs. 

Sabem o que ele respondeu? 

- Ah, professora, mas eu já sou casado... (tive que rir).


Bom, é claro que alguém poderia defender a tese segundo a qual o importante é se fazer entender. Ok, fique à vontade. Defenda o que quiser. Eu não vou assinar embaixo mesmo...

domingo, junho 12, 2016

Prisoner

 Chained in necropolis of your memories


"the experience is a brutal teacher"
[Jack Lewis in Shadowlands]

[Sculpture by (Sir) Richard Westmacott in Liverpool Museum]