segunda-feira, outubro 26, 2015

ENEM 2015: Hume


Naturalmente, algumas pessoas vieram ontem me perguntar o que achei da questão sobre Hume na prova do ENEM 2015. Eu já havia tomado conhecimento da polêmica desencadeada por ela, mas não havia me habilitado a discuti-la (por pura preguicite aguda de domingão chuvoso rs). Bom, não deu pra escapar. Eis, então, a minha opinião:

A meu ver, a questão está mal formulada. Do contrário, não teria gerado tanta polêmica. E ela está mal formulada, arrisco a dizer, porque a terminologia empregada, extremamente imprecisa, dá margens a dúvidas em relação às alternativas de respostas. Vejam só... (prova retirada da internet):



Bom, as alternativas (C)(D) penso que estão fora de cogitação. Abstenho-me, por enquanto, de comentá-las. Só farei isso se alguém vier a defender que alguma delas possa ser considerada correta. A polêmica, pelo que vi no facebook, gira em torno das outras três, em virtude do emprego de alguns termos e expressões discutíveis.

A alternativa (A) “os conteúdos das ideias no intelecto têm origem na sensação” poderia ser considerada correta, embora o uso do termo intelecto não seja apropriado, uma vez que Hume não fala, salvo engano, em intelecto (no índex da EHU e THN não se encontra), e fale em faculdades intelectuais [intellectual faculties] da mente, incluindo aí a memória, a imaginação, a razão, o entendimento e, num certo sentido, também a vontade. No final do parágrafo 7 Hume fala “da única forma pela qual uma ideia pode ter acesso à mente, a saber, por um efetivo sentimento ou sensação” (IEH 2 #7), não obstante apresente, em seguida, um fenômeno contraditório, bastante singular, cito Hume, “que quase não vale a pena examiná-lo, e tampouco merece que, apenas por sua causa, venhamos a alterar nossa tese geral” (IEH 2 #8).

A alternativa (E) “as ideias têm como fonte específica o sentimento cujos dados são colhidos na empiria” também poderia ser considerada correta, ainda que pareça  não levar em conta as ideias complexas (sem mencionar a discussão que pode ser levantada em torno da origem da ideia de conexão necessária). Esta alternativa parece limitar a questão às ideias simples, que são cópias de impressões originais. De qualquer modo, a fonte primordial, quer dizer, a primeira fonte de uma ideia sempre será uma impressão original, um dado sensível. Hume diz: "quando analisamos nossos pensamentos ou ideias, por mais complexos e grandiosos que sejam, sempre verificamos que eles se decompõem em ideias simples copiadas de alguma sensação ou sentimento precedente” (IEH 2 #6). Isso significa que o termo “específico” não elimina propriamente a alternativa, pois, ao fim e ao cabo, a primeira impressão é a fonte original de uma ideia, ainda que algumas ideias possam ser derivadas das relações que estabelecemos entre elas.

Há também a polêmica acerca da alternativa usar, além do termo “específico”, também o termo “sentimento.” Acontece que Hume emprega sim o termo sentimento: "all the materials of Thinking are derived either from our outward or inward sentiment" (EHU 2 #5).

Alguém poderia argumentar que se é "sensação ou sentimento precedente" (na tradução do José Oscar de A. Marques; estou sem a do Aiex aqui) não é especificamente sentimento. Mas, pergunto, qual a diferença entre sensação e sentimento? Se há diferença, ela é extremamente sutil. Hume diz: “when we analyze our thoughts or ideas, however compounded or sublime, we always find, that they resolve themselves into such simple ideas as were copied from a precedent feeling or sentiment” (EHU 2 #6).

Não fica claro se ele está tomando os termos como sinônimos ou se seria um ou outro (no caso de não tomar como sinônimos). Aparentemente ele está concebendo os termos como sinônimos. Feeling pode ser traduzido tanto por sensação quanto por sentimento. Débora Danowski, ao traduzir o Tratado da Natureza Humana, assinala a dificuldade de traduzir Feeling (“a mais problemática”), no uso que Hume faz desse termo (p.9).

A alternativa (B) “o espírito é capaz de classificar os dados da percepção sensível” também não poderia ser facilmente descartada. O termo “classificar” poderia ser considerado adequado sim, na medida em que dizer que a mente (mind, traduzida aqui, a meu ver, inadequadamente, por espírito) é capaz de classificar os dados da percepção sensível ─ isso está correto. Pois o que significa classificar? No caso, aqui, basicamente dividir, misturar e compor: a ideia de sereia é composta da divisão ou decomposição da ideia de uma mulher e da ideia de um peixe. Somando-se duas das partes divididas dá-se origem à ideia de um outro objeto, quer dizer, de dois objetos primeiramente divididos e, depois, compostos ou misturados, forma-se a ideia de um terceiro objeto “sereia” , sendo cada qual classificado por um termo específico: temos então as classes do objeto “mulher”, do objeto “peixe” e do objeto “sereia”. Ou seja, a alternativa também poderia ser considerada correta se afrouxarmos o rigor do uso preciso dos termos que Hume emprega e das opções de tradução que os termos nos oferecem.




Então, se alguém me perguntasse qual seria a alternativa correta, eu diria que a questão deve ser anulada, pois está mal formulada, dando ensejo a dúvidas e a mais de uma alternativa razoavelmente consistente. Faltou, creio eu, um elemento indispensável na formulação da questão: o rigor filosófico no uso dos termos.

domingo, outubro 25, 2015

Leveza


Dia calmo
levemente chuvoso
levemente cinza
levemente melancólico
levemente silencioso
levemente leve
levemente nu

quarta-feira, outubro 21, 2015

Observações triviais II

Meus cantos, 
ângulos 
e cantinhos.
25 graus 
céu predominantemente nublado
cinza claro
calmo 
fresquinho 
gostosinho 
calminho 
beijinhos...

segunda-feira, outubro 19, 2015

Free maço vermelho

Uma fumante sai às 21:15 hs para comprar cigarros, mesmo com a maior preguiça, não porque o dela acabou, mas porque ela sabe que vai ficar sem lá pelo meio da madrugada, quando estiver, como quase sempre, entre livros e leituras. Até aí tudo bem. O duro é que ela pediu dois maços de Free Vermelho (dois para garantir que não vai precisar se preocupar com isso nos próximos três dias), mas, ao chegar em casa (depois de subir quatro andares de escadas) e abrir a sacolinha que trazia também um guaraná, deu de cara com dois maços de Marlboro - aquele forte, de filtro amarelo, que lembra cowboy, e que ela detesta. Bufou, xingou, reconstruiu a cena, rangeu os dentes, planejou o futuro, respirou fundo. E  acendeu um free maço vermelho.

domingo, outubro 18, 2015

There is a solitude of space


There is a solitude of space 
A solitude of sea 
A solitude of death, but these 
Society shall be 
Compared with that profounder site 
That polar privacy 
A soul admitted to itself – 
Finite infinity. 

[Emily Dickhinson]


Há uma solidão do céu, 
uma solidão do mar 
e uma solidão da morte. 
Mas fazem todas companhia 
comparadas a este local profundo, 
esta polar intimidade, 
uma Alma que reconhece a Si mesma: 
finita infinidade. 

CAMPOS, Paulo. Mendes. de. Oito Poemas/Emily Dickinson (1969), Trinca de Copas. Rio de
Janeiro: Achiamé, 1984, p. 49

Painting: "The Yellow Sands"
John Reinhard Weguelin (1849-1927)



sábado, outubro 03, 2015

O nada



Transcrevo abaixo um pequeno trecho de "Xadrez", conto de Stefen Zweig escrito em 1941. O conto narra a história de um campeão mundial de xadrez (Mirko Czentovic) que, numa viagem de navio para Buenos Aires, enfrenta Dr. B., austríaco em fuga do regime nazista. 

A história se desenrola de modo simplesmente genial. Bom, mas é claro que não basta ser um excelente jogador de xadrez para saber apreciar a beleza, profundidade, maestria, sofisticação e densidade de Zweig ao narrar, descrever e articular seus temas, ambientes, conflitos e personagens. 

Adianto que os outros dois contos contidos no livro (Medo e Amok) também são de tirar o fôlego, aliás, não li nada ainda de Zweig que não me tenha agarrado pelos cabelos. 

Well, o que a passagem abaixo tem a ver com o instigante embate enxadrístico que ocorre entre esses dois personagens vocês só poderão saber se estiverem dispostos a lê-lo. Garanto que não vão se arrepender. Take a look!  

“Um quarto próprio num hotel – isso não soa extremamente humano? Mas o senhor pode acreditar que não nos reservaram de modo algum um tratamento humano, e sim um método mais refinado... Pois a pressão com a qual pretendiam extrair de nós o ‘material’ necessário deveria funcionar de modo mais sutil do que por meio de surras brutais ou torturas físicas: por meio do isolamento mais requintado que se pode imaginar. Não nos fizeram nada – simplesmente nos puseram no completo nada, pois é sabido que não há coisa alguma sobre a Terra que exerça maior pressão sobre a alma humana do que o nada. À medida que cada um de nós era trancado num vácuo absoluto, num quarto hermeticamente isolado do mundo exterior, deveria ser criada a partir de dentro, e não a partir de fora ─ por meio de pancadas e do frio ─, aquela pressão que acabaria por abrir nossas bocas.

À primeira vista, o quarto que me fora reservado não parecia de modo algum desconfortável. Ele tinha uma porta, uma cama, uma poltrona, uma bacia e uma janela com grades. Contudo, a porta permanecia fechada dia e noite, sobre a mesa não havia nenhum livro, jornal, folha de papel ou lápis, e a janela dava para um muro; em torno de mim e mesmo em meu próprio corpo foi construído o nada absoluto. Haviam tirado de mim todos os objetos, o relógio, para que eu não soubesse que horas eram, o lápis, de modo que eu não pudesse escrever, a faca, a fim de que eu não pudesse cortar os pulsos; até mesmo a mais leve distração de um cigarro me foi proibida. ... eu nunca via um rosto humano, nunca ouvia uma voz humana; ... todos os sentidos ficavam de manhã até a noite sem receber o mínimo alimento, a pessoa permanecia irremediavelmente sozinha consigo mesma, com seu corpo e os quatro ou cinco objetos silenciosos, a mesa, a cama, a janela, a bacia.

Vivia-se como um escafandrista submerso no oceano escuro desse silêncio, e mesmo como um mergulhador já consciente de que o cabo de ligação com o mundo exterior está rompido e ele nunca mais será puxado para fora das profundezas. Não havia nada para fazer, nada para ouvir, nada para ver, por toda parte e incessantemente se encontrava em torno do nada, o vazio mais completo, sem tempo nem espaço. Eu andava para lá e para cá. E comigo passeavam os pensamentos, para lá e para cá, para lá e para cá, repetidamente. Mas mesmo pensamentos, por mais imateriais que pareçam, precisam de um ponto de apoio, senão eles começam a rodar no vazio, a girar sem sentido em torno de si mesmos; eles também não suportam o nada. Esperava-se por alguma coisa, da manhã até a noite, e nada acontecia. Esperava-se sempre, sempre. E nada acontecia. Eu esperava, esperava, esperava, pensava, pensava, pensava, até a cabeça doer. Nada acontecia. Eu continuava sozinho. Sozinho. Sozinho".

(ZWEIG, S. Xadrez. In: Medo & outras histórias. Tradução de Lya Luft e Pedro Süssekind. Porto Alegre. RS: L&PM, 2007, pp181-182).

quinta-feira, outubro 01, 2015

Besta-quadrada

Ontem à noite, ao voltar da UFFS, um táxi tentou me ultrapassar pela direita. Mas deu com os burros n'água (ao dar de cara com uma baita cratera e desnível no asfalto) e teve que dar uma freada daquelas: quase bateu na minha traseira direita. E eu, como faço do trânsito um lugar para, em casos como esse, esbravejar sem que ninguém me ouça, imediatamente disse: 

VAI! SUA BESTA-QUADRADA. VAI..!

Pronto: minha mente inquisitiva pariu uma pergunta que eu já havia me feito outras vezes, mas nunca havia parado para levá-la a sério. Eis a pergunta: por que a besta é quadrada e não redonda? (E olha que nem me perguntei por que ela não é triangular, retangular, oval ou coisa que o valha). Limitei-me a perguntar por que a besta é quadrada e não redonda.



Lembrei-me da propaganda da SKOL que diz que essa cerveja “desce redondo”. A ideia é boa. Sugere que ela desce macia, lisa, como uma bola que rola sem obstáculos e percalços. Bom, e se descesse “quadrada”? Sugeriria que desce com dificuldade, machucando, com as pontas dos ângulos do quadrado, a laringe, a faringe, o esôfago and so on...? 

Oh... inquietantes questões! 

Será que se a besta fosse redonda seria menos besta? Well, besta é besta em qualquer figura ou situação, mas quero saber por que nos referimos a uma pessoa muito besta como quadrada e não numa outra figura geométrica qualquer.

Lá vou eu consultar o oráculo do século. E eis a resposta: a besta-quadrada não tem propriamente nada a ver com a figura geométrica. Na verdade, a expressão foi, digamos assim, “encolhida”. A versão original é "Besta elevada ao quadrado", o que significa que ela poderia ser besta-cubo (elevada ao cubo), mas também à quinta, décima e/ou enésima potência.

Bah! Quanta besteira rs!