sexta-feira, julho 31, 2015

Para atravessar contigo o deserto do mundo


Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei.

Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso.

Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo.

Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento

[Sophia de Mello Breyner Andresen]
Livro Sexto (1962)

segunda-feira, julho 27, 2015

A carta de amor



"Como desejo, a carta de amor espera sua resposta; ela impõe implicitamente ao outro de responder, sem o que a imagem dele se altera, se torna outra. '[...] Eternos monólogos sobre um ser amado, que não são nem ratificados nem alimentados pelo ser amado, acabam em ideias falsas sobre as relações mútuas, e nos tornarão estranhos um ao outro quando nos encontrarmos novamente, e acharmos então as coisas diferentes do que, por não termos nos certificado delas, se imaginava.” 

(Freud. Correspondência, 39, apud Barthes, Roland. Fragmentos de um Discurso Amoroso. p.33).

[ Francine Van Hove: Hand-Painted Oil Painting on Canvas]

quinta-feira, julho 23, 2015

Não posso adiar o amor



Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

[António Ramos Rosa | Viagem Através duma Nebulosa | Lisboa | Ática | 1960]

terça-feira, julho 21, 2015

O insuportável peso do ser

"Will"

[Photography by Tommy Ingberg]


alce esse voo
ice essa âncora
lance-se ao sombrio céu que te aguarda
voe
e leve 
leve contigo 
o insuportável peso do ser





A imagem acima é uma daquelas que julgo impactantes e que, por isso, salvo em meus arquivos. Tenho imagens guardadas há tempos, ali, em banho-maria, fomentando ideias e pensamentos. Quando vi essa foto, arquivei-a imediatamente. Fiz uma pesquisa sobre o autor e vi vários trabalhos dele, todos perturbadores, inquisitivos, surreais. Sempre que abria meus arquivos, ficava ali, a contemplá-la, cheia de perguntas do tipo: o que será que o cara quis dizer com ela? Qual o sentido, a razão e/ou o seu significado? Escrevi muitas coisas a partir daí. Mas deletei quase tudo (é comum que eu faça isso).  Achei que me excedi, pois uma imagem, assim, tão impactante, talvez não careça de uma única palavra. Bom, mas eu não vivo sem palavras. Sou uma enamorada delas. Uma enamorada da linguagem, do discurso verbal, poético, e não apenas imagético. Então, para conter minha natureza verbal excessiva (e aqui sei que já estou a me exceder), comecei a tentar tornar as ideias e sentimentos que ela suscitava em mim, mais condensados e sintéticos. That's it! 

[mais trabalhos deste autor podem ser encontrados em http://www.ingberg.com/ ]

quinta-feira, julho 16, 2015

The love letters

Particularmente inspirada, e com saudades das minhas epístolas de amor, especialmente daquelas já consagradas na história e na literatura, tomo em mãos as Cartas de Amor de Albert Einstein à Mileva Maric'. Abro, ao acaso, a Carta 16 (p.62), na qual Einstein nos dá uma pequena amostra da delicadeza e doçura com as quais se dirige à sua "querida boneca", ao mesmo tempo em que, em pouquíssimas palavras, transmite (ao menos parte de) sua visão a respeito do casamento, do relacionamento homem-mulher, e das forças motivadoras da vida. Nesta carta, bem como em muitas outras, Einstein revela-nos também a capacidade de compreensão e profundo respeito para com seus pais.



[Melchtal], segunda-feira, [6 de agosto de 1900]

Minha querida pequena, 

A primeira deliciosa cartinha que me enviou de casa chegou ontem. Saí sozinho para ler as linhas em silêncio, e depois relê-las mais duas vezes, e depois ler por entre as linhas com intenso prazer durante muito tempo antes de meter a carta no bolso e sorrir para comigo mesmo. Sua "sogrinha" tem estado muito amável e não toca mais no "assunto delicado". [...] 

Por enquanto, papai só me escreveu uma carta moralista, prometendo transmitir a parte principal em pessoa brevemente. Aguardo obedientemente. Entendo meus pais muito bem. Para eles a esposa é um luxo que o homem pode se permitir somente quando tem um bom padrão de vida. Tenho em baixa conta essa visão do relacionamento homem-mulher porque só distingue a esposa da prostituta na medida em que a primeira tem condições de obter do homem um contrato vitalício graças a sua posição social mais favorável. Tal visão é consequência natural do fato de que, no caso dos meus pais, como no de muita gente, o bom senso exerce um controle direto sobre as emoções. No nosso caso, graças às felizes circunstâncias em que vivemos, o prazer de viver é vastamente ampliado. Mas não devemos nos esquecer de quantas existências como as de meus pais tornaram possíveis as nossas. No desenvolvimento social da humanidade, o primeiro contingente é bem mais importante. A fome e o amor foram e continuam sendo as forças motivadoras da vida, tão importantes que quase tudo pode ser explicado por elas, mesmo se desprezarmos os outros temas dominantes. Sendo assim, estou tentando proteger meus pais sem comprometer aquilo que é importante para mim - ou seja, você, amor!

[...]
Quando não estou ao seu lado, parece que me falta um pedaço. Quando sento, quero andar; quando ando, fico pensando em voltar para casa. Quando me distraio, quero estudar, quando estudo, não consigo ficar parado e me concentrar. E quando vou dormir, não fico satisfeito com a maneira que passei o dia.

Divirta-se, meu bem, e receba beijos carinhosos de seu 

Albert.

[Albert Einstein-Mileva Maric': cartas de amor/ Jürgen Renn e Robert Schulmann (orgs.); tradução: Telma Médice Nóbrega. Campinas, SP: Papirus, 1992]

domingo, julho 05, 2015

Endless




O sol nasce
o céu azula
o frio corta
o silêncio reina

o tempo passa
o tempo passa
o tempo passa

o sol se põe
o céu escurece
o frio gela
o silêncio permanece

o tempo passa
o tempo passa
o tempo passa


quinta-feira, julho 02, 2015

As palavras



São como cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.
Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.
Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.
Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

[Eugénio de Andrade]



(a imagem que ilustra o poema foi publicada na página do facebook Artes & Poesia: uma das inúmeras páginas que unem, como o próprio nome diz, arte e poesia. O mérito da composição é, portanto, todo dela).