quarta-feira, abril 06, 2016

Olvido


Desce por fim sobre o meu coração
O olvido. Irrevocável. Absoluto.
Envolve-o grave como véu de luto.
Podes, corpo, ir dormir no teu caixão.

A fronte já sem rugas, distendidas
As feições, na imortal serenidade,
Dorme enfim sem desejo e sem saudade
Das coisas não logradas ou perdidas.

O barro que em quimera modelaste
Quebrou-se-te nas mãos.

Viça uma flor...
Pões-lhe o dedo, ei-la murcha sobre a haste...
Ias andar, sempre fugia o chão,
Até que desvairavas, do terror.
Corria-te um suor, de inquietação...


[Camilo Pessanha | in 'Clepsidra' ]



                                            

2 comentários:

gpmv disse...

Vamos torcer porque essa morte mostre novos horizontes a Virgílio.
Pergunta para Dante: o inferno tem horizontes?

Marília Côrtes disse...

Ele disse que sim: um horizonte em chamas rsrs. Mas depois pode-se avistar um horizonte mais longínquo: o purgatório e, indo além, o paraíso rs... quem sabe um dia eu chegue lá ;) !