domingo, abril 21, 2019

No meio de mim




Ygor Raduy
new painting over 
Caravaggio´s Flagellation of Christ


..............


Comunhão


A carnal, não a outra, a eucarística, também chamada canibalística, já que se trata de beber o sangue e comer a carne de alguém que morreu há 2000 anos - isso os canibais nunca conseguiram. Sim, a comunhão. Não a de bens, mas a carnal. Supondo que se saiba o que a palavra “carne” significa. Mas não é necessário saber. É apenas preciso tentar chegar sempre um pouco mais perto, mais, um pouco mais. Quando se vê, já estou em ti, já estás em mim. Terminantemente sagrado. “Que eu esteja convosco.” - “Tu estás no meio de mim.”


[Ygor Raduy | in: Pequeno Manual de Coisas Absolutamente (Ir)Relevantes | arquivo pessoal]



sábado, abril 13, 2019

Tremor de estrelas


Hoje sinto no coração
um vago tremor de estrelas,
mas minha senda se perde
na alma de névoa.

A luz me quebra as asas
e a dor de minha tristeza
vai molhando as recordações
na fonte da ideia.

Todas as rosas são brancas,
tão brancas como minha pena,
e não são as rosas brancas
porque nevou sobre elas.

Antes tiveram o íris.
Também sobre a alma neva.

A neve da alma tem
copos de beijos e cenas
que se fundiram na sombra
ou na luz de quem as pensa.

A neve cai das rosas,
mas a da alma fica,
e a garra dos anos
faz um sudário com elas.

Desfazer-se-á a neve
quando a morte nos levar?
Ou depois haverá outra neve
e outras rosas mais perfeitas?

[...]

Se o azul é um sonho,
que será da inocência?
Que será do coração
se o Amor não tem flechas ?

Se a morte é a morte,
que será dos poetas
e das coisas adormecidas
que já ninguém delas se recorda?

Oh! sol das esperanças!
Água clara! Lua nova!
Coração dos meninos!
Almas rudes das pedras!

Hoje sinto no coração
um vago tremor de estrelas
e todas as coisas são
tão brancas como minha pena.


[Federico García Lorca | Canción Otoñal ]



[collageArt by Sara Shakeel]


domingo, abril 07, 2019

Cântico Negro


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

[...]

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

[...]

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

[...]

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

...............................

[ José Régio | Cântico Negro | Poemas de Deus e do Diabo ] 



Noir | by Hengki Koentjoro | Fine Art Photographer

segunda-feira, março 25, 2019

Poder da Palavra





Uma palavra
basta
para acordar os
demônios
que se hospedam
no poema.

Uma palavra
basta
para estancar
as veias desatadas
do poema.

Uma palavra
basta
para ferir de morte o poema.



.............................................


Francisco Carvalho | in: O Silêncio é Uma Figura Geométrica | 2002.

sexta-feira, março 15, 2019

Água fria


A água que bebi
na fria fontana
queimou os meus lábios.

A água, de tão fria,
como fogo ardia
até na minha alma.

Assim é o amor,
fogo que se bebe
na fontana fria.

Assim é a morte.
A água fria apaga
o fogo que ardia.

...................................

Lêdo Ivo | in: De Plenilúnio | 2001-2004


“Bacio alla Fonte” | Photo by © Henri Cartier-Bresson 


quarta-feira, fevereiro 27, 2019

Poesia e prosa



                          
Quem ri quando goza
é poesia
até quando é prosa



....................
(Alice Ruiz)



quinta-feira, fevereiro 14, 2019

Canção de já-não-mais




Se digo “estou”, mesmo em hora morta,
o silêncio contesta: “esteve”. Se ouso “sou”,
o mesmo hiato repara: “eras, foste, estiveste,
viste, feriste, vagaste.” E eu mesmo, 
já em doce genuflexão, concedo: 

“Daqui, pouco falta que me sustém sem partir,
espaçar, romper o que une flanco e flanco 
rumo ao sem susto, sem lastro, sem solidez.”

O silêncio aquiesce sem um gesto.

E se vieste, cabe “logo vais”;
e se estamos cabe “já não mais”.
Pois basta um zás – não mais estar:
o possível escasso que vos alinhaste sobre o chão 
agora vos é fosso, ataúde, desvão. 

Repara que nada vos sustenta, 
alinha, indica, oferece linha-guia 
ou pouso onde, abrigado do incerto,
possas reclamar-te existente fora do
limite esguio que vos cabe.

O vento que se nega transpassar-te.
A noite que te oculta o dele ventre,
olhos, pélvis, voz: tudo o que dele,
ausente, se demora e te suspende.

A dor que é tua mais perene mandatária.
A morte que te aguarda indiferente.
A noite se retrai e se afasta desdenhosa,
alada, para espaços mais egrégios.

Resta a ti, como leito perpétuo, a escuridão.
Escuridão e silêncio.




[ poema & pintura | ygor raduy ]

........................................

* o último verso faz referência direta ao verso final do poema "The moon and the yew tree", de Sylvia Plath: "And the message of the yew tree is darkness. / Darkness and silence." In: "Ariel and other poems".

...................................................

hoje o facebook resgatou a lembrança desse meu amigo tão denso, querido e talentoso. Pena que de vez em quando ele mergulha nessa escuridão e silêncio. E dá uma sumida. Mas de vez em quando também ele volta, e ilumina tudo. Digo que lamento apenas retoricamente (ainda que sinta saudades dele), porque no fundo sei que ele se nutre dessa escuridão e silêncio para, em algum momento, ascender à luz.

terça-feira, janeiro 29, 2019

Void





A tristeza irreparável
Daquele que sabe que nada serve nem vale,
Que o esforço é um absurdo desgaste,
Que a vida é um espaço vazio,
Porque a desilusão vem sempre através da ilusão
E parece que a Morte é o sentido da Vida...
É isto, mas não é só isto, que tu vês no meus rosto
E faz com que olhes para mim, de vez em quando, disfarçadamente...

Fernando Pessoa | in: Poemas de Álvaro de Campos | Editora Saraiva de Bolso | 2012.


terça-feira, janeiro 15, 2019

Déjà vu


Tortura e Glória

"Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos. Veio a ter um busto enorme, enquanto nós todas ainda éramos achatadas. Como se não bastasse, enchia os bolsos da blusa, por cima do busto, com balas. Mas possuía o que qualquer criança devoradora de histórias gostaria de ter: um pai dono de livraria.

Pouco aproveitava. E nós menos ainda: até para aniversário, em vez de algum livrinho, ela nos entregava em mãos um cartão-postal da loja do pai. Ainda por cima com paisagem do Recife mesmo, onde morávamos, com suas pontes. Atrás escrevia com letra bordadíssima palavras como data natalícia e saudade.

[e agora começa a melhor parte]

Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança, chupando balas com barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o seu sadismo. Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações a que ela me submetia: continuava a implorar-lhe emprestados os livros que ela não lia.

Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa.

Como casualmente, informou-me que possuía As reinações de Narizinho.



Era um livro grosso, meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o. E, completamente acima de minhas posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia seguinte e que ela o emprestaria. Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança de alegria: eu não vivia, nadava devagar num mar suave. No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me
mandou entrar.

Olhando bem para meus olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife. Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os dias seguintes eram a minha vida inteira, o amor pelo mundo me esperava, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma vez.

Bom, mas não ficou simplesmente nisso. O plano secreto da filha do dono da livraria era tranquilo e diabólico. No dia seguinte lá estava eu à porta de sua casa, com um sorriso e o coração batendo. Para ouvir a resposta calma: o livro ainda não estava em seu poder, que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu como mais tarde, no decorrer da vida, o drama do dia seguinte ia se repetir com o coração batendo.

E assim continuou. Quanto tempo? Não sei. Ela sabia que era tempo indefinido, enquanto o fel não escorresse de seu corpo grosso. Eu já começara a adivinhar que ela me escolhera para eu sofrer, às vezes adivinho. Mas, adivinhando mesmo, às vezes aceito: como se quem quer me fazer sofrer está precisando que eu sofra.

Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. Às vezes ela dizia: pois o livro esteve comigo ontem de tarde, mas você não veio, de modo que o emprestei a outra menina. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se formando sob os meus olhos espantados.

Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Houve uma confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco elucidativas. A senhora achava cada vez mais estranho o fato de não entender. Até que essa mãe boa entendeu. Voltou-se para a filha e com enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de casa e você nem quis ler! E o pior para ela não era essa descoberta. Devia ser a descoberta da filha que tinha. Com certo horror nos espiava: a potência de perversidade de sua filha desconhecida, e a menina em pé à porta, exausta, ao vento das ruas de Recife. Foi então que, se refazendo, disse firme e calma para a filha: você vai emprestar agora mesmo As reinações de Narizinho. E para mim disse tudo o que eu jamais poderia aspirar ouvir: “E você fica com o livro por quanto tempo quiser.” Entendem? Valia mais do que me dar o livro: pelo tempo que eu quisesse é tudo o que uma pessoa, pequena ou grande, pode querer.

Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração estarrecido, pensativo.

Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei mais comendo pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. Como demorei! Eu vivia no ar... Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.

Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante."

Clarice Lispector
2 de setembro de 1967
in: A descoberta do mundo
.............................................



Há pouco, quando li essa crônica, me vi criança, mas também em diferentes idades e contextos análogos. Tive a vívida sensação de um dejà vu, ao chegar nesse desfecho incrível, cuja última frase nos remete a uma mulher (ainda que menina), in love, numa espécie de affair, com seu amante (o livro), concebido como o mais amado e amoroso objeto de desejo. Oui, déjà vu!

segunda-feira, dezembro 31, 2018

Disappearing Act


apagar-me
diluir-me
desmanchar-me
até que depois
de mim
de nós
de tudo
não reste mais
que o charme

.....

[ Leminski | in: não fosse isso e era menos. não fosse tanto e era quase |1981 ]



[ Disappearing Act | Photography by Brooke DiDonato ]


domingo, dezembro 23, 2018

Carta a uma desconhecida



photography by Kasia Derwinska


Quando passarem os anos, quando passarem
os anos e o ar tenha cavado um fosso
entre tua alma e a minha; quando passarem os anos
e eu só seja um homem que amou,
um ser que se deteve um instante diante de teus lábios,
um pobre homem cansado de andar pelos jardins,
onde estarás tu? Onde
estarás, ó nascida de meus beijos!


Nicanor Parra



(PARRA, Nicanor. Nicanor Parra & Vinicius de Moraes. Tradução e introdução de Carlos Nejar e Maximino Fernández. Rio de Janeiro: ABL, Academia Chilena de la Lengua, 2009,  p.65)

sexta-feira, dezembro 14, 2018

Sonetilho de verão


Traído pelas palavras.
O mundo não tem conserto.
Meu coração se agonia.
Minha alma se escalavra.
Meu corpo não liga não.
A ideia resiste ao verso,
o verso recusa a rima,
a rima afronta a razão
e a razão desatina.

Desejo manda lembranças.
O poema não deu certo.
A vida não deu em nada.
Não há deus. Não há esperança.
Amanhã deve dar praia.


[ Paulo Henriques Britto | Sonetilho de Verão | Trovar Claro | São Paulo | Companhia das Letras | 1997 ]








domingo, dezembro 09, 2018

untitled


para onde tu olhas?
para o abismo
e o que tu vês?
o nada
assim
sem ponto
sem vírgula
sem nada


The White Sky | XIX | by Stefano Bonazzi


sexta-feira, dezembro 07, 2018

Levante-se! é libertador




Estive hoje cedo dando aquela espiadinha básica no facebook quando, de repente, dei de cara com uma postagem cujo título (muito adequado) é o mesmo que dei a este post. Trazia uma foto da divina Nina Simone com uma de suas frases. 

Não me lembro de ter ouvido tal frase sair da boca da própria Nina nas diversas entrevistas que já assisti com ela, tampouco naquele documentário maravilhoso, intitulado "What Happened, Miss Simone?", disponível na Netflix (e que também já assisti). Talvez esteja lá. Não sei...

Numa rápida pesquisa no google a frase aparece mil vezes atribuída a ela, mas sem a fonte. E eu nunca confio muito nesses banners, a não ser que se possa comprovar oficialmente a autenticidade da fala atribuída ao autor. Well, mas sendo ou não da Nina, a frase que me chamou a atenção é a seguinte:

"Você tem que aprender a levantar-se da mesa quando o amor não estiver mais sendo servido." 

Eu faria dessas palavras as minhas próprias e, ainda, acrescentaria que o mesmo vale para a amizade. Ora, não basta dizer: é claro que "somos amigos"! Amizades que não se exercem, amizades que não se efetivam, simplesmente não existem. Não passam de flatus vocis. Amizades não alimentadas com atitudes correspondentes ao grau da amizade em foco morrem à míngua, ou, em alguns casos, afogadas num poço de mágoas. Amores também. 


sexta-feira, novembro 30, 2018

Melancolia


Ultimamente – não sei por quê – perdi toda a alegria, desprezei todo o hábito dos exercícios, e, realmente, tudo pesa tanto na minha disposição que este grande cenário, a terra, me parece agora um promontório estéril; este magnífico dossel, o ar, vede, este belo e flutuante firmamento, este teto majestoso, ornado de ouro e flama – não me parece mais que uma repulsiva e pestilenta congregação de vapores. Que obra de arte é o homem! Como é nobre na razão! Como é infinito em faculdades! Na forma e no movimento, como é expressivo e admirável! Na ação, é como um anjo! Em inteligência, é como um Deus! A beleza do mundo! O paradigma dos animais! E, no entanto, para mim, o que é esta quintessência do pó?”


[ Hamlet II ] 




Weeping Nude | painting by Edvard Munch | 1913


quarta-feira, novembro 21, 2018

Nonsense


acordei bemol
tudo estava sustenido
sol fazia
só não fazia sentido


(leminski | in: caprichos & relaxos | 1983)


(digital photography by anka zhuravleva)


quinta-feira, novembro 15, 2018

La mort de l'amour



"O amor nunca morre de morte natural. Ele morre porque nós não sabemos como renovar a sua fonte. Morre de cegueira e dos erros e das traições. Morre de doença e das feridas; morre de exaustão, das devastações, da falta de brilho." 



Anaïs Nin | In: 'Henry & June' | L&PM Pocket | Porto Alegre | 2007



Teseo Screpolato by Igor Mitoraji


sexta-feira, novembro 09, 2018

Noturno


Meu pensamento em febre
é uma lâmpada acesa
a incendiar a noite.

Meus desejos irrequietos,
à hora em que não há socorro,

dançam livres como libélulas
em redor do fogo.

Henriqueta Lisboa | Noturno' | In: Prisioneiro da Noite | Civilização Brasileira | Rio de Janeiro | 1941



quarta-feira, novembro 07, 2018

Nothingness




This night I came to you,
but you were not at home,
and your house was not in the city,
and the city was not anywhere on earth.


*****

Besik Kharanauli

Poeta e escritor Georgiano
[1939 - ...]

domingo, novembro 04, 2018

O melhor de mim



Ofereci-te tanta coisa. A mais preciosa, aquela que há muitos anos não dava a ninguém - a mais preciosa, repito, foi a minha absoluta disponibilidade para estar contigo, ouvir-te, ou estar em silêncio perto de ti.


[Al Berto | 1948-1997 | Diários | 2012]


by Rafal Olbinski
La Traviata - Verdi

sexta-feira, novembro 02, 2018

E depois...


Os labirintos
que cria o tempo
se desvanecem.

(Só fica
o deserto)

O coração,
fonte do desejo,
se desvanece.

(Só fica
o deserto)

A ilusão da aurora
e os beijos
se desvanecem.

Só fica
o deserto.
Um ondulado
deserto.


[Federico García Lorca | E Depois | Obra poética completa | Tradução de William Agel de Melo |  Martins Fontes | São Paulo | 1989]



segunda-feira, outubro 29, 2018

Doce cantiga sepulcral


Entra, amor, comigo na escuridão?
No vão onde hei eu de encerrar-me,
o vão onde encerrados os meus flancos
e extinta a tua carne – ah maciez, ah invólucro.

Vens comigo ao longo despautério?
Vem, amor, jaze comigo sobre a terra,
deixa que o líquido doce do teu corpo
se misture ao meu líquido. Vens?

Convido-te ao desmonte, homem.
Convido-te à devastação – mas teus olhos…
Não, não teus olhos, não aqueles que
entrefechaste quando enfim te conheci.

Atravessa, amor, comigo estes umbrais.
Anoitece comigo e eu contigo me desfaço
e te desfazes comigo e desfazemo-nos
unos, perdidos, destituídos – mas juntos.

Decide, não há tempo. Deita comigo sobre
a umidez da terra? Abraça-me enquanto
ainda braços tens? Abre, amor, os teus umbrais
enquanto ainda resiste o meu tendão.

Sei que amargo, amor, é meu convite.
Mas vem, quero as folhas do teu coração
sucumbindo enquanto eu ardo e sucumbo
contigo e sucumbimos unos, indistintos.

Vem, que o teu desfazer-se é o meu,
que o meu desenfeixar-me é o teu
e somos um só feixe, amor, jungidos
à mesma sorte, morte, aniquilação. Vem.

[by Ygor Raduy]


[White Gauze | 1984 | by Robert Mapplethorpe]

sexta-feira, setembro 28, 2018

Help me



Trauma | by Cristina Otero 



Socorro, eu não estou sentindo nada.
Nem medo, nem calor, nem fogo,
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir.

Socorro, alguma alma, mesmo que penada,
Me empreste suas penas.
Já não sinto amor nem dor,
Já não sinto nada.

Socorro, alguém me dê um coração,
Que esse já não bate nem apanha.
Por favor, uma emoção pequena,
Qualquer coisa que se sinta,
Tem tantos sentimentos,
Deve ter algum que sirva.

Socorro, alguma rua que me dê sentido,
Em qualquer cruzamento,
Acostamento, encruzilhada,
Socorro, eu já não sinto nada.


Alice Ruiz | Socorro | in: 50 Poemas de Revolta | São Paulo | Cia das Letras, 2017

sábado, setembro 15, 2018

Humanidades






Encontrei há alguns dias esse velho livro em minha estante. Tá surrado (é de 1980), e certamente existem hoje edições bem melhores. Esse eu comprei quando ainda era teen. Na época, entre as diversas áreas de conhecimento, era a física que mais me despertava a curiosidade e interesse (e mais como diletante, claro, pois havia saído há apenas um ano do colegial e ainda não sabia bem o que queria fazer da vida).  

O estudo da filosofia (que não fazia parte do currículo escolar daquele tempo) só entrou pra valer em minha vida quase 20 anos depois. Nesses 20 anos me mudei várias vezes de casa, de cidade, de opiniões e de ideias, me perdi outras tantas pelos caminhos, mas não perdi o livro. Tenho um baita apreço por ele e por muitas das ideias e opiniões de Einstein sobre o mundo. Eis uma delas:



Educação em vista de um pensamento livre

"Não basta ensinar ao homem uma especialidade. Porque se tornará assim uma máquina utilizável, mas não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático daquilo que vale a pena ser empreendido, daquilo que é belo, do que é moralmente correto. A não ser assim, ele se assemelhará, com seus conhecimentos profissionais, mais a um cão ensinado do que a uma criatura harmoniosamente desenvolvida. Deve aprender a compreender as motivações dos homens, suas quimeras e suas angústias para determinar com exatidão seu lugar exato em relação a seus próximos e à comunidade.

Estas reflexões essenciais, comunicadas à jovem geração graças aos contatos vivos com os professores, de forma alguma se encontram escritas nos manuais. É assim que se expressa e se forma de início toda a cultura. Quando aconselho com ardor "As Humanidades", quero recomendar esta cultura viva, e não um saber fossilizado, sobretudo em história e filosofia.

Os excessos do sistema de competição e de especialização prematura, sob o falacioso pretexto de eficácia, assassinam o espírito, impossibilitam qualquer vida cultural e chegam a suprimir os progressos nas ciências do futuro. É preciso, enfim, tendo em vista a realização de uma educação perfeita, desenvolver o espírito crítico na inteligência do jovem. [...] O ensino deveria ser assim: quem o receba o recolha como um dom inestimável, mas nunca como uma obrigação penosa."


Albert Einstein
Como Vejo o Mundo
(pp.29-30)


quarta-feira, setembro 05, 2018

Na faina turva dos dias


Permaneço no escuro como um cego
Porque meus olhos não te encontram mais
A faina turva dos dias para mim
não é mais que uma cortina que te dissimula.

Olho-a, esperando que se erga
esta cortina atrás da qual há minha vida
a substância e a própria lei da minha vida
e, apesar disso, minha morte.

Tu me abraçavas, não por desrazão
mas como a mão do oleiro contra o barro
A mão que tem poder de criação.
Ela sonhava de algum modo modelar –

depois se cansou,
se afrouxou
deixou-me cair e me quebrei.

Eras para mim a mais maternal das mulheres,
eras um amigo como são os homens,
eras, a te olhar, mulher realmente,
mas também, muitas vezes, criança.

Eras o que conheci de mais terno
e mais duro com que tenho lutado.

Eras a altura que me abençoou –
te fizeste abismo e naufraguei.

[Rainer Maria Rilke a Lou Andreas-Salomé, In: Correspondência Amorosa]

photo by Kasia Derwinska

segunda-feira, agosto 20, 2018

Recordação


E tu esperas, aguardas a única coisa
que aumentaria infinitamente a tua vida;
o poderoso, o extraordinário,
o despertar das pedras,
os abismos com que te deparas.

Nas estantes brilham
os volumes em castanho e ouro;
e tu pensas em países viajados,
em quadros, nas vestes
de mulheres encontradas e já perdidas.

E então de súbito sabes: era isso.
Ergues-te e diante de ti estão
angústia e forma e oração
de certo ano que passou.



Memory | 1948 | Rene Magritte


Erinnerung

Und du wartest, erwartest das Eine,
das dein Leben unendlich vermehrt;
das Mächtige, Ungemeine,
das Erwachen der Steine,
Tiefen, dir zugekehrt.

Es dämmern im Bücherständer
die Bände in Gold und Braun;
und du denkst an durchfahrene Länder,
an Bilder, an die Gewänder
wiederverlorener Fraun.

Und da weißt du auf einmal: das war es.
Du erhebst dich, und vor dir steht
eines vergangenen Jahres
Angst und Gestalt und Gebet.


Rainer Maria Rilke | in Das Buch der Bilder | O livro das imagens | 1902 | tradução de Maria João Costa Pereira | Lisboa | Relógio D’Água | 2005

sexta-feira, agosto 17, 2018

Imóvel e perene



"Eu sou bela, ó mortais! como um sonho de pedra" (...), diz a Beleza, essa divindade impassível cujo "(...) olhar, largo olhar" é feito de "clarões eternais".


Baudelaire | A Beleza | In: As Flores do Mal | Tradução de Jamil Haddad | São Paulo | Max Limonad | 1981



Resting | 1876 | by Victor Gabriel Gilbert | 1847-1933 | oil on canvas