quinta-feira, setembro 29, 2011

Fugitivamente



"Ele [Jean-Marc] sente na face o contato da sua mão [de Chantal], mais exatamente o contato da ponta de três dedos, e é uma sensação de frio, como o toque de uma rã. Suas carícias sempre eram lentas, calmas, parecia que queriam dilatar o tempo. Ao passo que aqueles três dedos pousados fugitivamente em sua face não eram uma carícia, mas um apelo. Como se aquela que é colhida por uma tempestade, por uma onda que a carrega, só dispusesse de um gesto fugaz para dizer: 'E, no entanto, estive aqui! Passei por aqui! Apesar de tudo o que vai acontecer, não me esqueça.'" 

(KUNDERA, Milan. A Identidade. Tradução de Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca. São Paulo: Cia das Letras, 1998, p.109).

Nenhum comentário: