domingo, agosto 20, 2006

Fragmentos de um discurso amoroso


Hoje resolvi acrescentar ao meu blog (na postagem logo abaixo) algo que tem me feito muita falta: LITERATURA! Sou, de fato, uma amante da filosofia, mas como meu coração é bem grande, cabe-lhe também amar a literatura. E há tempos, por conta das exigências da filosofia (que com muito gosto e prazer eu procuro satisfazer) e da vida corrida (que nem sempre tenho gosto e dou conta de satisfazer), tenho negligenciado esse meu amor. Chegou a hora de me redimir. Para tanto, apresento aqui, alguns fragmentos inspirados nos "Fragmentos de um Discurso Amoroso" de Roland Barthes.

Para quem não conhece, esse livro contém essencialmente a figura do enamorado “que fala de si mesmo, apaixonadamente, diante do outro (o objeto amado) que não fala”. Quando eu os escrevi (na verdade, fiz um recorte dos fragmentos), vivia essa figura completa e desesperadamente enamorada. Sentia-me no turbilhão de uma crise dolorosa, mórbida, da qual eu precisava me curar. Na ausência e esfacelamento do meu amor, buscava fragmentos que pudessem recompô-lo. Precisava de uma trégua, de adocicar meu coração, pois não suportava mais minha própria amargura. Assim, eu procurava incessantemente um lenitivo. E foi na literatura do discurso amoroso que o encontrei, ainda que apenas de modo fugaz. Leia aqui: http://mariliacortes.blogspot.com.br/2006/08/fragmentos.html


3 comentários:

carina paccola disse...

Marília, adorei a escolha do tema. Tem coisa melhor do que o amor? Mesmo com as dores que sempre o acompanham, é o melhor da vida. beijos

Marília Côrtes de Ferraz disse...

Também amo esse tema... e o próprio amor. beijo.

fungafungaaa disse...

Em meio a uma dor de amor vc lê fragmentos apaixonados?

rsssssss

nao foi uma boa ideia...
eu optaria pelos Remedios do Amor de Públio Nasão Ovídio

**d vez em quando leio um fragmento
adoraria que algúem que conhece o livro compartilhasse uma idéias comigo
*heitor@nobe.com.br

abraço