quinta-feira, março 25, 2010

A arte de lidar com as mulheres



Quem lê o título desse pequeno tratado (A arte de lidar com as mulheres), “um florilégio de sentenças”, imagina que vai encontrar ali, no mínimo, percepções agudas e excelentes dicas de como lidar com as mulheres (já que se propõe a revelar uma arte).

De fato, para alguém falar com propriedade sobre as mulheres, é necessário ter não só perspicácia, como também um conhecimento elevado e profundo de sua natureza: é preciso saber como elas pensam, sentem e agem, não só em geral, mas também em determinadas circunstâncias.

Obviamente o autor, ao expressar ali suas opiniões sobre as mulheres, julgou-se bastante conhecedor delas. Porém, embora não se possa dizer que ele desconhecia totalmente as mulheres, na verdade, nesse tratado, ele atirou em seu próprio pé, pois não encontramos, salvo em algumas passagens, muita coisa sensata, tampouco filosófica. Ao contrário, damos de cara com um festival de bobagens ditas pelo (nada mais nada menos) grande e admirável filósofo Schopenhauer (e isso não é nenhuma ironia; ele é, de fato, grande e admirável, mas até mesmo os grandes filósofos podem dizer e disseram algumas asneiras).

Franco Volpi, autor da introdução e notas da edição da Martins Fontes, 2004, adverte-nos de que “ao ler-se o presente tratado, devem ser levados em conta os condicionamentos e as circunstâncias, ou seja, o pesado fardo da tradição machista e os atávicos preconceitos que calcam a pena de Schopenhauer” (XIV) ─ apenas um entre tantos filósofos falidos no amor.

Ora, o que se passou na cabeça de Schopenhauer ao escrever sobre as mulheres não expressa todo o seu pensamento ou toda a sua filosofia que, por mais que traga algumas ideias indefensáveis, é de inestimável valor e matéria para muitas teses e discussões super interessantes. No fundo, eu o tenho em alta conta. Tanto que já lhe rendi aqui mesmo (neste blog) muitos elogios e escrevi também um TCC sobre o tema da liberdade da vontade em Schopenhauer. Mas isso não me impede de exclamar:

my god, há aqui tantas bobagens (e carregadas nas tintas) que ao lê-las dá vontade de sair berrando!!! (rs... lembrei-me de alguém dizendo isso diante de um absurdo patente).

Ainda segundo Volpi, não se pode também desconsiderar “a difícil relação que Schopenhauer teve com a figura materna”, relação esta que provavelmente causou a “exacerbada misoginia e indefensável, quase caricatural, imagem da mulher que, em sua obra, Schopenhauer pretendeu fundar em bases metafísicas” (XVII-XVIII)

Well, desculpas e justificativas da inépcia schopenhaueriana à parte, e a despeito de alguém que possa argumentar que todo autor paga, de um certo modo, um certo tributo a seu tempo, vamos ao que interessa, ou seja, às proposições ricas de “aspectos hilariantes, aptas ─ como um clássico hors d’âge ─ a divertir qualquer um” (XXIX). Talvez alguém dissesse mais: aptas também a indignar as mulheres (e alguns homens inteligentes rs). Mas, no fundo, não dá para levar muita coisa a sério.

Eis, então, algumas “pérolas” schopenhauerianas:


“As mulheres são o sexus sequior, o sexo que sob qualquer ponto de vista é o inferior, o segundo sexo, e em relação a cuja fraqueza deve-se, por conseguinte, ter consideração. Contudo, demonstrar-lhes veneração é extremamente ridículo e nos diminui aos olhos delas” (p.4).

Ora, talvez alguém possa defender que aqui nem tudo é bobagem. Como bem me lembrou o Aguinaldo, Schopenhauer teve algumas intuições básicas em relação às diferenças biológicas entre as mulheres e os homens dignas de consideração. Porém, dear Aguinaldo, nem por isso elas são sob qualquer ponto de vista inferiores. Talvez pudéssemos dizer que em relação à força física, ou a determinadas aptidões elas sejam inferiores, do mesmo modo que os homens também o são em relação a outras qualidades e aspectos.

“A mulher no Ocidente, particularmente aquela que é chamada de “dama”, encontra-se em uma falsa posição, pois a mulher, que os antigos com razão chamavam de sexus sequior, não merece de forma alguma ser o objeto de nosso respeito e veneração, trazer a cabeça mais erguida que a do homem e ter os mesmos direitos que ele. Vemos perfeitamente as consequências dessa falsa posição. Seria, por conseguinte, muito desejável que também na Europa esse número dois do sexo humano fosse recolocado em seu lugar natural, e que se desse um fim a esse monstro chamado dama, do qual não apenas toda a Ásia se ri, mas também a Grécia e Roma teriam se rido; as consequências, no aspecto social, burguês e político, seriam incalculavelmente benéficas. [...] A verdadeira “dama” européia é uma criatura que simplesmente não deveria existir; o que deveria sim haver são donas de casa e moças que tivessem a esperança de vir a sê-lo, de forma que não seriam educadas para a arrogância, mas para a vida doméstica e a submissão” (p.97-98).

Uau, essa é de doer! Parece-me indefensável...

“Com toda razão, poder-se-ia chamar o sexo feminino de não-estético. Nem para a música, nem para a poesia, tampouco para as artes plásticas as mulheres têm, real e verdadeiramente, talento e sensibilidade; quando, porém, elas afetam ou simulam essas qualidades, de nada mais se trata senão de pura macaquice voltada a seu desejo de agradar” (p.85).

“Quando as leis concederam às mulheres os mesmos direitos dos homens, elas deveriam ter lhes dado também um intelecto masculino” (p.79).

Bom, se tivessem me oferecido um intelecto masculino eu o recusaria sem titubear rsrs.

Mas curioso é que o próprio Schopenhauer em algum lugar (não me lembro onde, sorry) afirma que os filhos herdam do pai o caráter e da mãe o intelecto (ou a inteligência). Ora, com base em que ele afirma que do pai herdamos o caráter e da mãe o intelecto?

Ademais, se os filhos herdam o intelecto ou a inteligência da mãe, como podem possuir intelectos superiores aos das mulheres? Bom, alguém poderia argumentar que o intelecto materno, ao se unir a características específicas da genética masculina, produz intelectos superiores. Bom, aí o caldo engrossa... rsrs. 

“O domínio natural da mulher sobre o sexo masculino por meio da sensação de satisfação dura cerca de dezesseis anos. Aos quarenta anos, a mulher não está mais apta para a satisfação sexual” (p.47).

Tá aí a mulherada (e a história) que o deixa mentir hahahá!!!

Talvez ele devesse ter dito que ela não está mais apta à procriação, embora hoje em dia, apesar de não ser propriamente desejável que as mulheres resolvam procriar aos quarenta anos, não há mais nenhuma contra-indicação relevante ou impedimento natural para isso (com algumas exceções, é claro). Agora, que as mulheres ainda e depois dos quarenta estão aptas à satisfação sexual, ah... isso estão!

“Quando a natureza dividiu o sexo humano em duas partes, não fez o corte exatamente na metade. Em toda polaridade, a diferença entre o pólo positivo e o negativo não é puramente qualitativa, mas também quantitativa. É assim que também os antigos e os povos orientais viam as mulheres e, consequentemente, reconheciam a posição adequada a elas muito melhor do que nós, com nossa galanteria francesa fora de moda e nossa veneração despropositada às mulheres ─ a mais fina flor da estupidez germânico-cristã ─, que só serviu para torná-las arrogantes e sem consideração, fazendo às vezes lembrar os macacos sagrados de Benares, que, por terem consciência de sua santidade e inviolabilidade, se permitiam tudo e qualquer coisa” (p.9-10).

Ai ai ai... sem comentários!

“As mulheres, como pessoas que, por causa da fraqueza de seu intelecto, são muito menos capazes do que os homens de entender, reter e tomar como norma princípios gerais, ficam em regra atrás deles em relação à virtude da justiça e, portanto, também da probidade e da retidão; por isso, a injustiça e a falsidade são seus fardos mais frequentes e a mentira seu elemento real. [...] A idéia de ver mulheres exercendo a magistratura desperta risos” (p.93)

Ora ora Schopenhauer, eu diria, é você quem, aqui, nos desperta risos.

Ça suffit!

Ok... ok... não nos esqueçamos das intuições schopenhauerianas básicas sobre a vontade de vida e do instinto sexual no interesse da espécie. Não nos esqueçamos também de suas idéias até que sensatas sobre o casamento, a monogamia e a poligamia, mas... tststs... sorry, que falta fez, na época, um exemplar do rei Juan Carlos para dizer ao menos em alguns momentos: “por qué no te callas” Schopenhauer?

Uma última observação: o título aqui não é o original de Schopenhauer, pois este ensaio, contido na obra Parerga e Paralipomena (1851), traz apenas o título Sobre as mulheres, e não A Arte de Lidar com as Mulheres.

12 comentários:

carina paccola disse...

Marília, realmente o pensamento de Schopenhauer sobre as mulheres é bastante equivocado, é mesmo de provocar risos.
beijos

Marília Côrtes disse...

Oi Ca, vamos aproveitar para rir um pouco, então... há há há há.
beijos

HELDER disse...

Olá!Estou curioso em ler o texto na integra. Faz parte dos dez filósofos machistas da história da humanidade.

Fernando Tona disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marília Côrtes disse...

Fernando. Obrigada pelo comentário. Como minhas observações estouraram o número de caracteres aqui permitidos, coloquei-as numa postagem.

Clésio De Luca disse...

Schopenhauer é um escritor do século XVIII e versado em literatura, "um poliglota e um estudioso da linguagem com uma visão muito critica acerca do exercicio da tradução, é preciso deixar de lado sua recomendação": "Escreva seus próprios livros dignos de serem traduzidos e deixe outras obras como elas são". Os comentários pejorativos a respeito do que escreveu sobre as mulheres, também podemos deixar de lado.

Clésio De Luca disse...

“A mais rica biblioteca, quando desorganizada, não é tão proveitosa quanto uma bastante modesta, mas bem ordenada. Da mesma maneira, uma grande quantidade de conhecimentos, quando não foi elaborada por um pensamento próprio, tem muito menos valor do que uma quantidade bem mais limitada, que, no entanto, foi devidamente assimilada”.A. Schopenhauer

Anônimo disse...

A autora não nega seu valor, mas, cá pra nós, um misógino clássico. Aliás, ele e o Nietzsche. Ambos feios, mal humorados, rejeitados pelas mulheres, provavelmente brochas...enfim...misógino clássico!

Andre nascimento da silva disse...

A. Shopenhauer foi um gênio, concordo quem alguns pensamentos dele sobre as mulheres foram equivocados, mas seu trabalho com a linguagem foi um trabalho sem igual, sua genialidade em termos de linguagem crítica já mais ser superada,não se pode julgar um gênio por uma simples obra, leia, A ARTE DE TER RAZÃO ou COMO VENCER UM DEBATE SEM TER RAZÃO,você mudará seu conceito sobre esse autor.

Marília Côrtes disse...

Caro André, obrigada pela visita e comentário. Mas acho que você não entendeu bem o que eu disse, pois de modo algum eu nego que Schopenhauer foi um gênio. Eu mesma me refiro a ele nesse post como um "grande e admirável filósofo (e isso não é nenhuma ironia)..."; assinalo que "o que se passou na cabeça de Schopenhauer ao escrever sobre as mulheres não expressa todo o seu pensamento ou toda a sua filosofia que, por mais que traga algumas ideias indefensáveis, é de inestimável valor e matéria para muitas teses e discussões super interessantes." Digo que "No fundo, eu o tenho em alta conta. Tanto que já lhe rendi aqui mesmo (neste blog) muitos elogios e escrevi também um TCC sobre o tema da liberdade da vontade em Schopenhauer"; e devo acrescentar... escrevi também um apêndice sobre o mesmo tema na minha dissertação de mestrado(que deve sair agora publicado num capítulo de livro). Isso significa que conheço boa parte da obra dele, desde os quatro livros de O Mundo como Vontade e Representação; O ensaio sobre a liberdade da vontade; Sobre o fundamento da moral, Metafísica do amor, da morte, do sofrimento do mundo, vários textos do Parerga e Paralipomena, Sobre a filosofia universitária... além do que você citou e de diversos comentadores consagrados. Adverti também, no post, que não devemos nos esquecer "das intuições schopenhauerianas básicas sobre a vontade de vida e do instinto sexual no interesse da espécie, de suas ideias até que sensatas sobre o casamento, a monogamia e a poligamia", enfim, meus comentários dizem respeito pontualmente apenas ao que ele escreveu sobre as mulheres. Por isso, não acho que devo alterar meu conceito sobre este autor, pois, como disse (e repito), eu o tenho em altíssima conta, o que não me impede de tentar mostrar que, apesar de tê-lo em alta conta e conhecer várias de suas obras, ele defende ideias que considero indefensáveis. Abs,

Lucas disse...

Schopenhauer só fala a verdade e ela dói, simples assim.

Marília Côrtes disse...

Falou a voz da sabedoria, o excelentíssimo Dr. Lucas - grande conhecedor da verdade, oh...
Sua opinião, my dear, flutua no ar, assim como flutuam as bolhas de sabão, haja vista você não ter oferecido nenhum argumento ou fundamento para sustentá-la. Lamentável! De qualquer modo, agradeço o comentário "simples assim". Isso é que dá ler filósofos (se é que vc leu algum) de joelhos.